Jornal do Brasil

Segunda-feira, 22 de Setembro de 2014

País

Brown chama de amadores trios que param para famosos

Portal Terra

"Cadê a coordenação do Carnaval, que deixa os trios pararem durante cinco horas na frente dos camarotes?", desabafou o multiartista Carlinhos Brown, durante o desfile do seu Camarote Andante, no bloco Furdunço, que aconteceu na madrugada desta terça-feira no circuito Dodô.

Ele atacou o que considerou amadorismo, de os artistas pararem para cantar com personalidades que estejam dentro dos camarotes, ou bater papo com os artistas e jornalistas que estavam nos espaços vips ou nas áreas de imprensa. "O Carnaval tem muitas atrações, não pode parar! As pessoas têm que deixar esse amadorismo de querer tudo para si!", disparou o cacique, que, em todo Carnaval, desfere declarações polêmicas sobre a ordenação da folia.

Ainda sobre Brown: ele, que é o criador do Arrastão da Quarta-feira de Cinzas, volta à Barra nesta quarta-feira, 05, para encerrar o Carnaval de 2014. No ano passado, o cantor não havia feito seu já tradicional percurso de despedida do Carnaval, mas neste dia vai estar acompanhado de 200 percussionistas, que saem do Farol às 10h.

Orlando Tapajós

No Furdunço, antes do desfile de Brown - que contou com a participação das cantoras Luana Monalisa, Luci Alves, Clésia Luz e Amanda Santiago - Luiz Caldas, pai da Axé Music, tocou na Caetanave para os foliões pipoca e os chamou para estar com ele no trio Orlando Tapajós, sumidade baiana carnavalesca, que aperfeiçoou o trio elétrico e construiu a Caetanave, uma  homenagem a Caetano Veloso em sua volta do exílio, em 1972.

Orlando Campos, 79 anos, que ganhou o nome Tapajós por conta do pioneiro trio elétrico que fabricou e ao qual batizou assim, via o Carnaval transcorrer da janela do Camarote Boteco Marta Góes.

Antes, no Furdunço - que desceu pela primeira vez para o circuito Dodô -, Pepeu Gomes e Chico César já tinham se apresentado. O Furdunço é definido também como um movimento cultural, que tem como objetivo a preservação das tradições e o fortalecimento das diversas manifestações artísticas, dando visibilidade aos grandes e pequenos nomes da arte e valorizando a presença do folião pipoca, principal representante do Carnaval de Salvador.

Tags: brown, Críticas, desfiles, Salvador, trios

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.