Jornal do Brasil

Quinta-feira, 18 de Dezembro de 2014

País

Justiça do Trabalho declara ilegalidade da greve de garis no Rio

Sindicato diz que não há qualquer movimento de paralisação ou greve na cidade do Rio

Agência Brasil

Em decisão anunciada na tarde deste sábado de carnaval (1º), a desembargadora Rosana Salim Villela Travesedo, do Tribunal Regional do Trabalho do Estado do Rio de Janeiro (TRT/RJ), declarou a “abusividade e ilegalidade” de qualquer movimento de paralisação dos garis vinculados à Companhia Municipal de Limpeza Urbana (Comlurb).

A sentença destaca que o “movimento paredista”  ocorre no curso da negociação do dissídio coletivo de 2014 da categoria. A juíza determinou a imediata suspensão do movimento, de forma a garantir o funcionamento dos serviços essenciais de coleta e disposição do lixo  domiciliar e urbano, “sob pena de multa diária no caso de descumprimento”. A multa tem valor de R$ 25 mil.

Apesar de o sindicato da categoria negar agora que esteja havendo paralisação, as ruas da capital fluminense amanheceram cobertas de lixo. A Lapa, tradicional bairro boêmio, permaneceu suja até as 9h, quando alguns garis apareceram para retirar o lixo que ficou das festas de carnaval de ontem. Em passeata dissolvida pela Polícia Militar durante a tarde, manifestantes também anunciavam a greve.

De acordo com a decisão do TRT/RJ, é recomendada a abstenção  de qualquer tentativa de paralisação sem comunicação prévia no prazo legal de 72 horas. O documento destaca, ainda,  que embora a Justiça do Trabalho reconheça a razoabilidade das pretensões dos funcionários em questão, não foi feita assembleia pelo sindicato da categoria legitimando o movimento grevista.

Em  nota oficial divulgada hoje (1º), o vice-presidente do  Sindicato de Empregados de Empresas de Asseio e Conservação do Município do Rio de Janeiro, Antonio Carlos da Silva,  informou que “não há qualquer movimento de paralisação ou greve na cidade do Rio de Janeiro”. Segundo a nota, “os rumores de uma ameaça de paralisação vêm sendo alardeados por um grupo sem representatividade junto à categoria”. O sindicato reafirmou que segue negociando com a Companhia Municipal de Limpeza Urbana do Rio de Janeiro (Comlurb).

Também em nota, a prefeitura do Rio, por meio da Comlurb, reiterou a informação dada pelo sindicato de que “não existe greve de garis na cidade”. A companhia comunicou que se mantém em negociação com o sindicato da categoria, “como faz todos os anos no período do acordo coletivo”.

O esquema de trabalho montado pela Comlurb para o carnaval deste ano envolve 1.875 trabalhadores por dia, até a próxima terça-feira (4). De acordo com informação da assessoria de imprensa da companhia, desse total, 1.080 estão encarregados de fazer a limpeza nas ruas, após a passagem dos blocos. Outro contingente, de até 600 garis, atuará  na limpeza de todas as áreas do Sambódromo, diurna e noturna, incluindo o Terreirão do Samba.

Os garis trabalharão também na Estrada Intendente Magalhães, em Campinho, onde ocorrem os desfiles das escolas de samba dos grupos C, D e E,  além da Lapa, Cinelândia e Avenida Rio Branco, onde também haverá desfiles até o dia  4. Em todos os eventos do carnaval, no ano passado, foram recolhidos pela Comlurb 1.120 toneladas de resíduos.

Para o serviço de coleta de materiais recicláveis no Sambódromo do Rio,  a Comlurb disponibilizou  98 garis, que terão apoio de 44 catadores . A iniciativa resulta de parceria entre a Comlurb, a Coca-Cola Brasil, a Liga Independente das Escolas de Samba (Liesa) e a Empresa de Turismo do Município do Rio de Janeiro (Riotur). O resultado apurado com a venda do material é destinado aos próprios catadores. No carnaval de 2013, foram coletadas na Marquês de Sapucaí 60 toneladas de latas de alumínio e garrafas plásticas durante os dias de desfiles.

A Comlurb alerta os foliões que vão brincar nos blocos de rua para que não sujem a cidade. Duzentas e seis equipes dos agentes do Lixo Zero estarão nas ruas durante o período do carnaval para multar quem for flagrado jogando detritos no chão. A multa soma R$ 157, de acordo com a Lei de Limpeza Urbana.  A mesma multa será aplicada para quem for pego urinando na rua.

Tags: Limpeza, paralisação, Rio, ruas, Sistema

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.