Jornal do Brasil

Segunda-feira, 22 de Dezembro de 2014

País

DF lança campanha de combate à violência contra crianças e adolescentes

Agência Brasil

Conscientizar a população para que não feche os olhos diante de qualquer tipo de violação contra a criança e o adolescente durante o carnaval. A proposta é parte de campanha lançada hoje (27) pelo governo do Distrito Federal em parceria com a Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República.

Para a secretária-adjunta da Criança, Catarina de Araújo, a aglomeração durante o período de folia abre caminho para o aumento de casos de exploração sexual de menores, além de casos de trabalho infantil e mesmo de negligência e abandono. Ela garante que, durante os quatro dias de feriado prolongado, os conselhos tutelares estarão de sobreaviso para receber denúncias.

A coordenadora do programa Crescer sem Violência, do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef), Casimira Benge, lembrou que a violência contra crianças e adolescentes ocorre em qualquer lugar e a qualquer momento, mas que há maior propensão para a violação de direitos durante grandes eventos como o carnaval.

“É uma mistura de alegria e descontração. É importante que as pessoas sejam mobilizadas para estarem atentas”, disse. “Esse tipo de campanha é importante porque informa sobre a vulnerabilidade e dá instrumentos para que as pessoas possam reportar o que acontece”, completou.

Dados da Secretaria de Direitos Humanos indicam que, nos últimos três anos, a Ouvidoria Nacional dos Direitos Humanos, responsável pelo Disque 100, recebeu 336 mil denúncias de violações de direitos de crianças e adolescentes em todo o país.

No DF, nos primeiros quatro meses de 2013, foram registradas cerca de 300 denúncias de violência contra crianças e adolescentes. Entre os tipos  mais relatados estão a negligência (72%), a violência psicológica (48%), a violência física (39%) e a violência sexual (23%).

Tags: descontração, direitos, Nações, pessoas, Unidas, violência

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.