Jornal do Brasil

Terça-feira, 23 de Setembro de 2014

País

PMs do Distrito Federal rejeitam proposta e mantêm Operação Legalidade

Agência Brasil

Representantes dos policiais militares do Distrito Federal vão se reunir daqui a pouco com o comando-geral da PM e com representantes do governo para anunciar a decisão da categoria de rejeitar a proposta de reajuste salarial. Nessa manhã, cerca de 14 mil policiais e bombeiros rejeitaram a proposta do governo distrital de reajuste nos benefícios.

A reunião foi convocada pelo comandante-geral da Polícia Militar, Anderson Carlos de Castro Moura, depois de a assembleia reprovar a proposta do governador Agnelo Queiroz. Não haverá posicionamento oficial do comando sobre a negativa de acordo até o fim do encontro, marcado para este final da tarde, quando deve ser analisada a situação.

De acordo com o sargento Manoel Sansão Alves Barbosa, vice-presidente da Associação dos Praças Policiais e Bombeiros Militares do Distrito Federal (Aspra-DF), a falta de uma proposta para a reestruturação da carreira e de equilíbrio entre as categorias foi o que motivou a rejeição da proposta.

“Houve 100% de rejeição pelas 14 mil pessoas presentes à assembleia. Os policiais queriam isonomia salarial, não abrem mão da isonomia”, explicou. “A proposta é boa para os oficiais, para os praças não”, declarou o sargento. Segundo Sansão, ainda há esperanças de que o governo apresente uma proposta mais favorável. “Tem que ter, senão não tem jeito, não tem como continuar do jeito que está”, afirmou.

Para a Aspra, é necessário acabar com o “fosso salarial entre um coronel e um soldado”. Segundo o vice-presidente da associação, os policiais também decidiram continuar a Operação Legalidade, que, diferentemente da chamada “operação tartaruga”, negada pelo movimento, prevê que os trabalhadores sigam as determinações legais de não exceder a velocidade das vias, transitando na velocidade prevista.

De acordo com nota oficial do comando da Polícia Militar, divulgada antes da assembleia, a proposta do GDF “visa ao resgate da dignidade dos policiais militares” e “concede tratamento igualitário em relação às demais categorias” da Segurança Pública do Distrito Federal.

Tags: Brasília, crise, MILITAR, polícia, salários

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.