Jornal do Brasil

Quinta-feira, 31 de Julho de 2014

País

Milhares de manifestantes do MST ameaçaram prédio do STF

Sessão plenária foi suspensa para "intervalo"

Jornal do BrasilLuiz Orlando Carneiro

Eram exatamente 16h10 quando o vice-presidente do Supremo Tribunal Federal, ministro Ricardo Lewandowski - que presidia a sessão plenária - interrompeu o ministro Marco Aurélio, que proferia um voto, para dizer que estava suspendendo a sessão: "Fui informado agora pela segurança que o tribunal corre o risco de ser invadido. Vamos fazer um intervalo na sessão".

Embora não tenha ocorrido nenhum conflito, nem tenha se consumado a invasão do prédio do STF, milhares de manifestantes (cerca de 15 mil, segundo a PM) reunidos pelo Movimento dos Sem Terra, estavam se concentrando na Praça dos Três Poderes - a ampla praça limitada pelo STF, pelo Palácio do Planalto e pelo estacionamento do Senado.

A segurança do STF defendeu o prédio com cercas de metal, colocadas por seus seguranças terceirizados, e havia poucos soldados da Polícia Militar quando pediram reforço.

Confrontos com a Polícia marcaram a marcha do MST em Brasília
Confrontos com a Polícia marcaram a marcha do MST em Brasília

A manifestação

Cerca de 15 mil integrantes do MST - que vieram para Brasília de todos os pontos do país - comemoram os 30 anos da organização. Os manifestantes do Movimento dos Sem Terra (MST) fizeram uma breve parada no gramado em frente ao Congresso Nacional antes de seguirem de volta ao Ginásio Nilson Nelson, onde estão reunidos. A Polícia Militar fez um cordão de isolamento do prédio, mas não houve confronto e a marcha permaneceu apenas alguns minutos no gramado.

Mais cedo, os manifestantes desceram a Esplanada dos Ministérios e ocuparam a Praça dos Três Poderes, antes de ocupar o quadrilátero em frente ao Parlamento. Quando chegaram à praça, houve confronto com a PM.  Os manifestantes derrubaram as grades laterais do Congresso e avançaram em direção ao prédio. 

Pelo menos um trabalhador do MST foi agredido e outro foi preso por agredir um PM. O MST reagiu jogando pedaços de paus e pedras e a polícia respondeu com bombas de gás. Pelo menos 30 policiais e dois manifestantes ficaram feridos no confronto e foram encaminhados para atendimento médico.

O ministro-chefe da Secretaria Geral da Presidência, Gilberto Carvalho, conversou com manifestantes e recebeu uma carta do MST. Ele informou que na manhã desta quinta a  presidente Dilma Rousseff receberá uma comissão de representantes do movimento.

Tags: DF, marcha, Supremo, trabalhadores, Tribunal

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.