Jornal do Brasil

Domingo, 21 de Setembro de 2014

País

Mensalão: Barbosa manda, finalmente, prender João Paulo Cunha

Deputado vai ficar em regime semiaberto

Jornal do BrasilLuiz Orlando Carneiro

Brasília - O presidente do Supremo Tribunal Federal, ministro Joaquim Barbosa, decretou, na tarde desta terça-feira (4/2), finalmente, a prisão do deputado federal João Paulo Cunha (PT-SP), condenado a um total de 9 anos e 4 meses na ação penal do mensalão. Ele vai logo começar a cumprir os 6 anos e 4 meses das penas, no regime semiaberto, por peculato e corrupção passiva. A condenação por lavagem de dinheiro (3 anos), dependenainda do julgamento dos embargos infringentes, já que o réu teve 5 votos a seu favor quando foi julgado, no ano passado, pelo plenário do STF.

O mandado de prisão foi assinado no início desta tarde, segundo a assessoria de imprensa do STF. Ainda não há informações sobre se a Polícia Federal (PF) já recebeu a ordem de prisão.

Antes de entrar de férias, no início de janeiro, Joaquim Barbosa, relator da Ação Penal 470, decretou o fim do processo do mensalão para João Paulo Cunha, mas deixou em aberto a expedição do mandado de prisão. O presidente do STF reassumiu o seu cargo nesta segunda-feira.

Os outros

Além da definição sobre a situação de João Paulo Cunha, o retorno de Joaquim Barbosa ao Supremo deve dar fim ao impasse relacionado a outro réu, o ex-deputado Roberto Jefferson (PTB-RJ). Jefferson pediu o direito a prisão domiciliar, e o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, opinou no sentido de que ele cumpra a pena na cadeia. Joaquim Barbosa, agora, terá de dar uma decisão final. Dos 25 condenados pelo STF no julgamento do processo do mensalão, 19 estão em presídios, um em prisão domiciliar (José Genoino), outro foragido (Henrique Pizzolato) e dois aguardam julgamento de recursos (João Cláudio Genu e Breno Fischberg). Dos que já poderiam estar presos, somente Cunha e Jefferson permanecem em liberdade.

Tags: barbosa, cunha, Mensalão, prisão, STF

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.