Jornal do Brasil

Sábado, 21 de Abril de 2018 Fundado em 1891

País

Advogada cega vai ao STF contra atual processo judicial eletrônico 

Jornal do Brasil Luiz Orlando Carneiro

Em audiência concedida nesta quinta-feira (30/1), o ministro Ricardo Lewandowski, presidente em exercício do Supremo Tribunal Federal, recebeu a advogada Deborah Prates, cega há sete anos, que relatou ao ministro as dificuldades por que passam os advogados com deficiência visual em todo o país – mais de mil, segundo ela - na utilização cada vez mais disseminada, nas varas e tribunais, do Processo Judicial Eletrônico (PJe).

De acordo com a advogada, o PJe brasileiro não leva em consideração as normas internacionais de acessibilidade, tendo em vista diversos problemas com códigos para os sistemas leitores de tela. Deborah Prates ressaltou que o protocolo adotado como padrão de acessibilidade é o "Consórcio W3C".

A advogada pretende que a Justiça autorize o peticionamento físico, em papel, até que os sites de todo o Poder Judiciário passem a ser totalmente acessíveis. “O Estado tem o dever de remover todas as barreiras a fim de dar oportunidades iguais. Para ser independente, eu preciso da acessibilidade”. Ela lembrou, ainda, que a Convenção sobre os Direitos da Pessoa com Deficiência, da qual o Brasil é signatário, tem status de emenda constitucional.



Tags: Supremo, Tribunal, deficientes, dificuldades, federal

Compartilhe: