Jornal do Brasil

Terça-feira, 16 de Setembro de 2014

País

Cinco são detidos suspeitos de atacar ônibus na zona sul de SP

Portal Terra

Três homens foram presos e dois adolescentes apreendidos nesta quarta-feira suspeitos de participar do ataque a um ônibus na região do M’Boi Mirim, zona sul de São Paulo, nesta manhã. Eles foram encaminhados ao 100º Distrito Policial (Jardim Herculano).

Um ônibus foi incendiado na estrada do M'Boi Mirim, na zona sul de São Paulo, por voltadas 12h desta quarta-feira. Segundo a SPTrans, ainda não há informações sobre quem ateou fogo no veículo. A Polícia Civil está investigando as causas do incidente e diversas viaturas foram enviadas ao local. 

Ontem, dois homens foram presos e seis adolescentes apreendidos suspeitos de participar do ataque a três ônibus na mesma região. De acordo com a Secretaria de Segurança Pública de São Paulo (SSP-SP), os oito foram encaminhados ao 47º Distrito Policial (Capão Redondo). 

Segundo a Polícia Militar, dois coletivos foram incendiados e um terceiro depredado na tarde de terça-feira. De acordo com a PM, os ônibus foram incendiados na estrada do M’Boi Mirim, na altura do número 1000, e na avenida José Estima Filho, na esquina com a estrada do M’Boi Mirim, e outro depredado na rua Citeron.

Do dia 1º de janeiro até as 15h de hoje, 32 ônibus municipais foram incendiados; média de um por dia. O número é maior do que o total de ocorrências registradas no primeiro semestre do ano passado, período em que houve 21 coletivos queimados. 

Ônibus deixam de circular à noite em pontos de São Paulo

Por conta dos ataques, a SPTrans afirmou nesta que enfrenta dificuldades no transporte coletivo em duas regiões da cidade e que, por isso, ônibus deixaram de circular à noite em alguns pontos da capital paulista. 

Segundo a SPTrans, as áreas onde são registradas dificuldades são o Jardim João XXIII, na zona oeste, e o Jardim Ângela, na zona sul. Desde sábado (25), 10 linhas de ônibus da empresa Transppass, que servem os jardins João XXIII e Educandário, não estão circulando à noite no interior dos bairros, de acordo com a empresa. Os coletivos retornam seis pontos antes da parada final. Nessas linhas são transportadas, diariamente,  pelo menos 80 mil pessoas.

De acordo com a SPTrans, os motoristas desembarcam os passageiros na rodovia Raposo Tavares, entre os quilômetros 15 e 18, e alegam insegurança para seguir o restante do itinerário. Na região, um ônibus foi incendiado desde sábado e motoristas e cobradores afirmam ser vítimas de ameaças. 

Desde as 16h desta terça-feira, quatro linhas operadas pela concessionária VIP e oito linhas da Cooper Pam tiveram suas frotas recolhidas às garagens por determinação das empresas na região do Jardim Ângela. As 12 linhas transportam, diariamente, 120 mil pessoas. 

Do dia 1º de janeiro até as 17h30 de hoje, 28 ônibus municipais foram incendiados; média de um por dia. O número é maior do que o total de ocorrências registradas no primeiro semestre do ano passado, período em que houve 21 coletivos queimados. 

A SPTrans afirmou que solicitou formalmente apoio às autoridades policiais e reforço policial preventivo nos bairros com dificuldades de operação e em toda a cidade “com o objetivo de garantir a segurança e o direito ao transporte público do cidadão paulistano”.

“A SPTrans entende que a Polícia precisa tomar providências para que a situação volte à normalidade e está recorrendo a todas as medidas que estão ao seu alcance para assegurar o transporte dos passageiros de ônibus na cidade”, afirmou a empresa em nota.

Na região do M’Boi Mirim, onde hoje foram atacados três ônibus, dois deles incendiados de acordo com a PM, a SPTrans afirmou que acionou o Plano de Apoio entre Empresas em Situação de Emergência (Paese), com 20 coletivos, para atender as linhas que foram recolhidas pela empresa durante a tarde.  

Prejuízos

Segundo o sindicato das empresas de ônibus de São Paulo (SPUrbanuss), cada ônibus destruído represente, em média, um prejuízo de R$ 500 mil, já que o valor dos ônibus de São Paulo gira entre R$ 300 mil e R$1,5 milhão.

Segundo o sindicato, desde o início do ano, os incêndios causaram R$ 13,5 milhões em prejuízo.

O sindicato lamentou os atos de vandalismo e disse que se reuniu, no fim do ano passado, com a Secretaria de Segurança Pública para discutir o tema. "O objetivo foi iniciar uma discussão sobre possíveis medidas que possam ser adotadas para garantir a segurança de passageiros e operadores do transporte urbano, afetados pelas ocorrências de incêndios dos coletivos, e a operação regular do serviço", diz a nota. 

Tags: Atos, coletivos, protestos, SP, vandalismo

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.