Jornal do Brasil

Quinta-feira, 27 de Novembro de 2014

País

Ex-segurança da Kiss relembra "o filme de terror" causado pelo incêndio

Agência Brasil

Grande parte dos moradores de Santa Maria (RS) ainda chora a morte das 242 pessoas, passado um ano da tragédia da Boate Kiss. Ao caminhar pela cidade é possível perceber a dor, em homenagens pelas ruas e no silêncio de muitos ao se perguntar sobre aquela madrugada de 27 de janeiro de 2013.

Segundo os sobreviventes, mais que no corpo, as cicatrizes marcam o lado psicológico de cada um. Rodrigo Moura, que trabalhava como segurança de palco na casa noturna, é uma dessas pessoas. Chamado de herói, o rapaz ajudou a quebrar a parede do banheiro da boate e participou da reconstituição feita pela Polícia Civil.

Quando o fogo começou, Moura estava ao lado do palco e pegou o extintor para tentar apagar, mas a ferramenta não funcionou. "Foi um filme de terror. Cada passo que eu dava era uma mão me segurando. Ninguém tem noção do que foi aquilo. Quando entrei para fazer a reconstituição, vi corpos empilhados e senti cheiro de sangue, porque tinha muita gente pisoteada, cortada."

O rapaz conta que a roupa o ajudou a se salvar. Ele vestia uma camisa social branca e uma gravata, que molhou com água e colocou sobre o nariz para conseguir sair da boate. Mas, por ter ajudado a retirar vítimas do local, pouco tempo após a tragédia o segurança foi internado por 20 dias devido a inalação da fumaça. Hoje, a vida do jovem é marcada pelo incêndio.

"Não tem como esquecer. Às vezes, fecho os olhos e me lembro do horror. Tento olhar para a frente, mas a ferida ainda está aberta. Meses depois fui a uma boate em Salvador, mas não consegui me diverti. Fiquei perto da porta e passava um filme na minha cabeça", relatou o ex-segurança da Kiss.

Tags: boate, brasil, Fogo, kiss, Tragédia

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.