Jornal do Brasil

Sexta-feira, 24 de Outubro de 2014

País

Barbosa diz que não pediu prisão de João Paulo Cunha por falta de tempo

Jornal do Brasil

Surpreendido por jornalistas brasileiros quando saía da Universidade Sorbonne, em Paris, onde cumpre agenda oficial, o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Joaquim Barbosa, disse que não pediu a prisão do deputado federal João Paulo Cunha (PT-SP) por "falta de tempo". Barbosa alegou que saiu de férias um dia antes de decidir pela prisão do ex-presidente da Câmara, condenado no processo do mensalão.

O presidente do STF explicou que assinou a decisão de prender o parlamentar na última segunda-feira, às 18 horas, pouco antes de pegar um voo para o exterior. "Saí de casa à 1h. Só depois de divulgada a decisão é que se emite o mandado, se fazem as comunicações à Câmara dos Deputados, ao juiz da Vara de Execuções. Nada disso é feito antes da decisão. Portanto, eu não poderia ter feito isso, pois já estava voando para o exterior", disse Barbosa.

O ministro afirmou, ainda, que não sabe porque seus colegas que o substituíram à frente do STF ainda não expediram o mandado de prisão contra João Paulo Cunha. "O presidente do STF responde pelo tribunal no período em que estiver lá. Responde sobretudo a questões urgentes. Se é urgente ou não é avaliação que cada um faz", afirmou Barbosa.

Após sair de férias, a presidência do Supremo foi interinamente ocupada pela ministra Cármen Lúcia, que não assinou a ordem de prisão contra o deputado. "Não sei qual foi a motivação. Ela não me telefonou, não falou comigo", disse Joaquim Barbosa, ao lembrar que "o ministro que estiver lá, de plantão, pode praticar o ato".

Tags: cunha, federal, Ministro, prisão, Supremo, Tribunal

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.