Jornal do Brasil

Sexta-feira, 28 de Novembro de 2014

País

ONS descarta risco de falta de energia

Jornal do Brasil

O Operador Nacional do Sistema (ONS) descartou o risco de desabastecimento de energia elétrica no curto e médio prazos, apesar da escassez de chuvas em praticamente todas as regiões do Brasil nas últimas semanas e das altas temperaturas que fazem aumentar o uso maior de aparelhos de ar condicionado.

O Comitê de Monitoramento do Setor Elétrico se reúne nesta quinta-feira em Brasília para discutir as medidas que serão adotadas nas próximas semanas no setor, como a necessidade de ligar ou desligar usinas térmicas e de deslocamento de energia entre as diversas regiões que compõem o Sistema Interligado Nacional (SIN).

No entanto, o ONS acredita que, mesmo com a falta de chuva, não há problemas de abastecimento em nenhuma região, principalmente porque houve atraso do chamado “período molhado”, que acarretou chuvas intensas em várias regiões do país da primeira para a segunda quinzena de dezembro.

De acordo com especialistas, os reservatórios estão com nível satisfatório em praticamente todo o país, à exceção da Região Nordeste, onde não tem chovido. A região vem recebendo energia da Usina Hidrelétrica de Tucuruí, no Pará. A usina também vem transferindo, pelo Sistema Interligado Nacional, energia para a Região Sudeste. É no Nordeste que está ligada a maioria das usinas térmicas atualmente em operação no país.

O Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação, divulgado pelo ONS para a semana operativa de 11 a 17 deste mês, indica crescimento de 4,3% no Subsistema Nordeste, principalmente “pelo comportamento da carga demandada pelas classes residencial e comercial, como reflexo da incorporação de aparelhos elétricos para refrigeração nas residências e no comércio, influenciado pelo aumento da renda familiar, do consumo e do emprego.

O estudo divulgado pelo ONS projeta aumento de 10,4% da carga demandada ao sistema em janeiro, na comparação com igual mês do ano passado. O maior crescimento da demanda está previsto para a Região Norte, onde a carga deve aumentar de 31%, principalmente por causa da interligação de Manaus, uma vez que, sem isso, o crescimento da carga ficaria em 8,2%.

No Subsistema Sudeste/Centro-Oeste, que responde por mais de 60% da demanda do país, o crescimento da carga deverá ficar em 10,8%, também influenciado pelo aumento do uso de aparelhos de refrigeração, devido às altas temperaturas previstas.

O sumário divulgado pelo ONS prevê aumento de mais de 37% no custo médio mensal de operação do sistema por causa da escassez de chuvas no país ao longo da semana de 11 a 17 de janeiro, passando de R$ 280,81 por megawatts-hora (MWh) para R$ 386,82 MWh nesse período.

Dados do ONS indicam que, em consequência do forte calor últimas semanas em diversas regiões e da falta de chuvas, no dia 10 deste mês foi batido o recorde de carga demandada ao SIN. Às 14h39 daquele dia, a carga demandada ao sistema atingiu 79.962 mil MWh, superando o recorde anterior de 79.924 MWh gerados às 15h25 do dia 4 de dezembro do ano passado.

Agência Brasil

Tags: . abastecimento, . energia, calor, térmicas, Usinas

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.