Jornal do Brasil

Quarta-feira, 23 de Abril de 2014

País

Delta impede PF de acessar contas apesar de autorização da Justiça

Portal Terra

A construtora Delta vem impedindo a Polícia Federal de acessar suas contas, apesar da autorização emitida pela Justiça para que a PF analise os dados na sede da empresa. A Delta, que é alvo de uma investigação sobre lavagem de dinheiro e desvio de recursos públicos, alega que tem direito de não produzir provas contra si mesma. As informações são do jornal Folha de S. Paulo.

A PF quer ter acesso aos dados em um formato compatível, além de autorização para inspecionar a sala onde estão os documentos da contabilidade e os arquivos de gestão de obras e de projetos. Os investigadores também querem falar com funcionários e com o contador da Delta, para que ele explique como organiza os registros. Além disso, os agentes pedem o resultado da auditoria interna que foi realizada na empresa.

A Justiça havia determinado que a Delta entregasse "as informações requeridas diretamente à perícia policial" em um prazo de cinco dias. Porém, a empresa recorreu e conseguiu uma liminar que suspendeu a decisão.

A Delta passou a ser investigada a partir de revelações feitas durante a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) do Cachoeira, em 2012, que apurou a influência do empresário Carlos Cachoeira em vários Estados. A empresa afirmou que "está impedida de se pronunciar na mídia" porque a investigação "corre em segredo de Justiça".

Carlinhos Cachoeira

Acusado de comandar a exploração do jogo ilegal em Goiás, Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira, foi preso na Operação Monte Carlo, da Polícia Federal, em 29 de fevereiro de 2012, oito anos após a divulgação de um vídeo em que Waldomiro Diniz, assessor do então ministro da Casa Civil, José Dirceu, lhe pedia propina. O escândalo culminou na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) dos Bingos e na revelação do suposto esquema de pagamento de parlamentares que ficou conhecido como mensalão.

Escutas telefônicas realizadas durante a investigação da PF apontaram diversos contatos entre Cachoeira e o senador Demóstenes Torres (GO), então líder do DEM no Senado. Ele reagiu dizendo que a violação do seu sigilo telefônico não havia obedecido a critérios legais, confirmou amizade com o bicheiro, mas negou conhecimento e envolvimento nos negócios ilegais de Cachoeira. As denúncias levaram o Psol a representar contra Demóstenes no Conselho de Ética e o DEM a abrir processo para expulsar o senador. O goiano se antecipou e pediu desfiliação da legenda.

Com o vazamento de informações do inquérito, as denúncias começaram a atingir outros políticos, agentes públicos e empresas, o que culminou na abertura da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) mista do Cachoeira. O colegiado ouviu os governadores Agnelo Queiroz (PT), do Distrito Federal, e Marconi Perillo (PSDB), de Goiás, que negaram envolvimento com o grupo do bicheiro. O governador Sérgio Cabral (PMDB), do Rio de Janeiro, escapou de ser convocado. Ele é amigo do empreiteiro Fernando Cavendish, dono da Delta, apontada como parte do esquema de Cachoeira e maior recebedora de recursos do governo federal nos últimos três anos.

Demóstenes passou por processo de cassação por quebra de decoro parlamentar no Conselho de Ética da Casa. Em 11 de julho, o plenário do Senado aprovou, por 56 votos a favor, 19 contra e cinco abstenções, a perda de mandato do goiano. Ele foi o segundo senador cassado pelo voto dos colegas na história do Senado.

Em 21 de novembro, após 265 dias preso, Carlinhos Cachoeira, deixou a penitenciária da Papuda, em Brasília. No mesmo dia, o contraventor foi condenado pela 5ª Vara Criminal do Distrito Federal a uma pena de 5 anos de prisão por tráfico de influência e formação de quadrilha. Como a sentença é inferior a 8 anos, a juíza Ana Claudia Barreto decidiu soltar Cachoeira, que cumpriria a pena em regime semiaberto.

No dia seguinte, o Ministério Público Federal (MPF) de Goiás pediu nova prisão do bicheiro, com base em uma segunda denúncia contra ele e outras 16 pessoas, todos suspeitos de participar de uma intensificação de ações criminosas em Brasília. O pedido foi negado pela Justiça.

No dia 7 de dezembro, Cachoeira voltou a ser preso. O juiz Alderico Rocha Santos, da 11ª Vara Federal de Goiás, condenou o bicheiro a 39 anos, 8 meses e 10 dias de reclusão por diversos crimes relativos à Operação Monte Carlo e determinou sua prisão preventiva. A defesa recorreu e, quatro dias depois, o juiz federal Tourinho Neto, do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF1) concedeu novo habeas-corpus e Cachoeira foi libertado.

Tags: construtora, denúncia, federal, investigação, polícia

Compartilhe:

Comentários

1 comentário
  • luan tavares

    Cabral não escapou, só não havia necessidade dele ser investigado por rumores.

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.