Jornal do Brasil

Segunda-feira, 21 de Abril de 2014

País

Motorista de ônibus que caiu em ribanceira é indiciado por homicídio culposo

Segundo a Polícia Rodoviária Federal, 33 pessoas ficaram feridas e 14 morreram no acidente

Agência Brasil

São Paulo - O motorista do ônibus que despencou em uma ribanceira na Régis Bittencourt, na madrugada de hoje (22), foi ouvido pelo delegado Renato Gonçalves Collete e liberado depois de fazer exames toxicológicos para apurar se estava alcoolizado ou sob efeito de alguma substância no momento do acidente. De acordo com o delegado, o motorista, que não teve o nome divulgado, foi indiciado por homicídio culposo.

Segundo o delegado, o motorista declarou que não percebeu nenhum obstáculo na via ou problemas no motor e que iria revesar a direção com outro condutor na próxima parada. O motorista colaborou com a polícia e prestou assistência no local do acidente. O delegado informou ainda que não há indícios de que o ônibus tenha batido ou brecado bruscamente na estrada, o que pode indicar que o motorista cochilou ao volante.

De acordo com informações da Polícia Rodoviária Federal, o veículo da Empresa de Ônibus Nossa Senhora da Penha partiu de Curitiba para o Rio de Janeiro com 53 passageiros, sendo duas crianças, e o motorista. No total, 33 pessoas ficaram feridas e 14 morreram. Uma delas, a caminho do Hospital Central de Itapecerica da Serra.

Kelly Cristine Guimarães Ferreira, filha da vítima, contou que o marido da mãe, Regina Celia Nogueira Guimarães, 58 anos, sobreviveu e foi quem telefonou à família para avisar do acidente. Porémn, os filhos só souberam que a mãe havia morrido ao chegar ao Hospital Geral de Itapecerica da Serra. “Ele contou que eles estavam dormindo e que o ônibus caiu na ribanceira e capotou várias vezes. Ele disse também que o resgate demorou 15 minutos para chegar e que eles deram preferência a ela por ela ser cardíaca, mas não adiantou. Achamos tudo muito estranho, mas não podemos afirmar nada”, disse ela.

A psicóloga Elisabete Souza Lima, que prestou depoimento na delegacia de Itapecerica da Serra, relatou que não sentiu freada brusca e que acordou com a sensação de que o veículo havia batido em alguma coisa mole, pois não ouviu barulho. “Em seguida, o ônibus começou a capotar. Tenho muita sorte de estar viva.”

Os corpos das 14 vítimas foram transferidos para o Instituto Médico-Legal (IML) Central, no centro da capital paulista, por determinação do governador Geraldo Alckmin, pois o IML da cidade de Itapecerica da Serra não dispõe do número de vagas necessárias. Quatro hospitais da região prestam atendimento aos feridos.

Para o Hospital Geral de Itapecerica da Serra, foram encaminhadas 12 vítimas, das quais uma é a que morreu enquanto era transportada. Mais duas pessoas já tiveram alta, e o restante permanece em observação. Uma das vítimas está instável desde a manhã.

No Hospital de Pirajuçara, deram entrada seis vítimas e todas continuam internadas. Uma delas, uma mulher cuja idade não foi informada, teve duas paradas cardíacas, foi reanimada e operada. Outra mulher teve o baço amputado e continua em observação.

A Agência Brasil entrou em contato com a Empresa de Ônibus Nossa Senhora da Penha, mas não obteve resposta até a publicação da matéria. A Secretaria de Segurança Pública informou que aguardará o Boletim de Ocorrência ficar pronto para se manifestar.

Tags: acidente, cochilou, delegado, exames, liberado, toxilógicos, volante

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.