Jornal do Brasil

Sexta-feira, 18 de Abril de 2014

País

Apesar de baixa colocação em ranking, Mercadante destaca vitórias da educação

Agência Brasil

Ao analisar hoje (3) os dados do Programa Internacional de Avaliação de Alunos (Pisa) 2012, o ministro da Educação, Aloizio Mercadante, disse que a fotografia da educação no Brasil ainda não é boa, mas destacou que os avanços podem ser considerados uma “grande vitória”. Mercadante ressaltou que o Brasil teve a melhor evolução no desempenho da matemática entre os 65 países analisados e reduziu a repetência escolar, ao mesmo tempo que aumentou o número de estudantes na faixa etária de 15 anos em sala de aula.

“O resultado em relação a nossa evolução é uma grande vitória da educação brasileira. Não podemos nos acomodar e temos ainda um atraso histórico muito grande quando falamos em qualidade da educação. Fizemos muito, mas temos que fazer muito mais”, disse. “O Brasil foi o que mais avançou na matemática e o segundo país que mais avançou em cobertura -  colocando alunos em sala de aula”, acrescentou Mercadante.

Os dados do Pisa mostram que, desde 2003, o Brasil conseguiu os maiores ganhos na performance em matemática, saindo dos 356 pontos naquele ano e chegando aos 391 pontos em 2012. Entre os 65 países comparados, o Brasil ficou em 58º lugar.

Entre os pontos destacados em relação ao Brasil também está o aumento percentual de estudantes matriculados. De acordo com o estudo, em 2003, 65% dos jovens com 15 anos frequentavam a escola. Em 2012, o país conseguiu matricular 78% dos adolescentes nessa faixa etária.

Apesar de ter conseguido uma evolução nos itens avaliados, o Brasil ainda está nas posições mais baixas do ranking. A avaliação, feita pela Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), é aplicada a jovens de 15 anos a cada três anos. A pesquisa mede o desempenho dos estudantes em três áreas do conhecimento – leitura, matemática e ciências. Segundo o ministro, o Pisa de 2012 teve foco em matemática e por isso a comparação entre os resultados devem ser feitos com os da avaliação de 2003.

O ministro cita a olimpíada da matemática como item de destaque para o avanço na disciplina por despertar o interesse de estudantes, professores e gestores escolares para a área. “Seguramente, a olimpíada mobiliza a rede, gera motivação nos estudantes. Esse espírito olímpico da matemática ajudou decisivamente nesse salto”, disse. Ele citou também os investimentos na educação feitos a partir da criação do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação Básica (Fundeb).

Entre 2009 e 2012, a taxa de repetência caiu de 40,1% para 37,4%, de acordo com os dados do Pisa. “Houve redução importante no nosso caso e muitos países aumentaram”, avaliou o ministro.

Tags: avaliação, educaç~~ao, estudantes, mundiais, países

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.