Jornal do Brasil

Quinta-feira, 17 de Abril de 2014

País

Após nova perícia, Defesa Civil mantém interdição de setor em Itaquera

Portal Terra

A Defesa Civil de São Paulo e a polícia técnico-científica visitaram novamente a Arena Corinthians no início da tarde desta segunda-feira para acompanhar as obras do estádio de abertura para Copa do Mundo 2014. Na última quarta-feira, a cobertura de um dos setores de arquibancadas ruiu, matando dois operários que trabalhavam no local. De acordo com o coordenador da Defesa Civil, Jair Paca de Lima, a área do acidente, que corresponde a 30% do estádio, permanecerá interditada por tempo indeterminado.

“Estamos acompanhando os trabalhos da obra, a volta dos trabalhos. Está tudo dentro da interdição feita anteriormente, de acordo com o que prescrevemos com o laudo de interdição feito no loca. A interdição segue até os passos que devem ser seguidos de solicitação para obras emergenciais”, afirmou Paca de Lima.

O coordenador afirmou também que os dois carros da perícia que estiveram presentes na arena trabalharam juntamente com a Defesa Civil no sentido de acompanhar o recomeço das obras.

Paca de Lima disse ainda que aguarda a entrada da documentação para que as gruas danificadas sejam retiradas com segurança. Segundo ele, por se tratar de uma obra importante e de grande porte, os documentos não devem demorar para ficar prontos.

“A retirada das gruas acontecerá com a entrada da documentação e a retirada dos equipamentos e materiais que têm envolvidos na ocorrência. Para grandes obras como essa, há todo empenho, equipamento, corpo de técnicos e acreditamos que será rápida a retirada dos materiais e a continuação da obra. No restante da obra, ela prossegue normalmente”, disse.

A obra voltou a ser tocada na manhã desta segunda-feira após luto de cinco dias. Por volta das 7h40, operários, engenheiros, o ex-presidente do Corinthians Andrés Sanchez e um padre da região de Itaquera fizeram uma oração que durou cerca 30 minutos. Durante esse período, Andrés e os engenheiros pediram para que os operários “erguessem a cabeça” e prosseguissem com a obra de maneira segura. Às 8h10, as obras foram retomadas, porém sem que máquinas pesadas como gruas e guindastes funcionassem, por conta de uma proibição do Ministério Público do Trabalho.

Tags: acidente, Copa, estádio, morte, SP

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.