Jornal do Brasil

Domingo, 30 de Abril de 2017

País

Evangélicos ameaçaram ir contra Palocci para coibir 'kit gay'

Portal TerraDayanne Sousa

Líder da Frente Parlamentar Evangélica, o deputado João Campos (PSDB - CE) confessa que o apoio ao ministro da Casa Civil, Antonio Palocci, foi usado como moeda de barganha pelos religiosos contra o kit anti-homofobia do Ministério da Educação.

- Nos reunimos nesta terça-feira (24) a bancada evangélica e a católica, decidimos impor uma série de condições. Se o governo insistisse em manter o kit, bloquearíamos a votação na Câmara e apoiaríamos a convocação do ministro Palocci para dar explicações - relata Campos.

Depois da ameaça das duas bancadas - que somadas têm mais de 90 deputados e quatro senadores - o secretário-geral da Presidência da República, ministro Gilberto Carvalho convocou os parlamentares e anunciou o recuo do Planalto em relação ao material. "A presidenta Dilma não gostou dos vídeos, achou o material inadequado, e determinou que não circule oficialmente. Estão suspensas todas as produções de materiais que falem dessas questões", disse o ministro.

Uma semana antes, o ministro da Educação, Fernando Haddad, havia anunciado que manteria o kit sem alterações, mesmo com a pressão dos religiosos. Campos avalia que houve uma mudança de posição no Planalto. "É claro que o governo se sentiu ameaçado porque está num momento delicado com Palocci, mas é esse o jogo político. Não quiseram nos ouvir antes, agora ouviram".

 

Tags: Evangélicos, kit gay, palocci

Compartilhe: