Jornal do Brasil

Sábado, 22 de Julho de 2017

País

Álcool e cocaína está aumentando violência entre jovens, diz cacique

Jornal do Brasil

Vladimir Platonow, Agência Brasil

TERRA INDÍGENA TUKUNA UMARIAÇU (AM) - O consumo de cachaça e cocaína está aumentando a violência entre jovens, diz o cacique Manoel Nery Tikuna, que chefia a Aldeia Umariaçu 2, no município amazonense de Tabatinga. Segundo ele, os jovens agora se dividem em grupos, formando gangues dentro da aldeia e partindo para a briga.

- Alguém entrou com esse produto [cocaína] e falou para o que servia - diz o líder tikuna, em entrevista à Agência Brasil e à TV Brasil.

- Aí, quem comprou e experimentou, já foi levando para outro colega para prejudicar. Daí é que vem a violência. Se matam e brigam entre eles. Usam pau, espingarda, garrafa, pedra. É um problema muito sério.

O cacique diz que os grupos atuam contra os outros.

- Se a pessoa não corre, vão para cortar, para matar. Nós perdemos dois rapazes assim. Jogaram no igarapé e o corpo ficou boiando - relata.

O efeito da entrada de drogas na Umariaçu 2 repercute nas relações familiares e nem a família do cacique escapa.

- Está trazendo muito sofrimento. Muito mesmo - diz Manoel Nery.

- Um dos meus seis filhos está querendo entrar [nas drogas], mas eu falei muito com ele e agora está um pouco afastado. Outro filho levou uma facada nas costas, como vingança contra mim, porque eu falo contra as drogas.

Segundo o cacique, os jovens da aldeia compram bebida alcoólica e colocam o pó da droga dentro, o que provoca efeitos imediatos e mudanças radicais de comportamento.

- O pensamento mudou e não respeitam mais ninguém. Cheiram cola, também cheiram gasolina - comenta.

Para o cacique, a atuação da Fundação Nacional do Índio (Funai), responsável pelas políticas públicas para os indígenas em todo o país, está longe do necessário para resolver a situação: - A Funai não faz nada. Só o que faz é demarcar área junto com o governo federal e fazer a fiscalização.

O chefe da aldeia diz que já foi até à Polícia Federal (PF) para denunciar a situação na aldeia, mas não conseguiu ajuda.

- Falei com o delegado Eduardo [Primo], na Funai, e ele disse que a Polícia Federal não estava no município para prender quem bebe cachaça - conta.

A assessoria de imprensa da PF informou que um dos dois delegados que poderia falar sobre o assunto estava em missão, e o outro, em Manaus. Marcou entrevista para esta quarta-feira.

Para Manoel Nery Tikuna, o que leva os jovens ao uso de álcool e drogas e a se envolver em brigas violentas é a falta de perspectiva de futuro, depois que terminam o ensino médio, oferecido na aldeia.

- Eles concluem o ensino médio e não têm profissão, não têm trabalho nenhum. Não têm ajuda dos políticos para estudar fora, na capital ou em outro país. Não têm bolsa na universidade. Então a gente está sem caminho, enquanto a comunidade está sofrendo.

Compartilhe: