Jornal do Brasil

Segunda-feira, 20 de Novembro de 2017

País - Opinião

Moody's melhora nota do país às vésperas da votação da reforma da Previdência

Apesar do desemprego, da recessão e dos protestos, agência vê 'ambiente positivo'

Jornal do Brasil

A agência de classificação de risco Moody's anunciou, na quarta-feira (15), que a perspectiva de nota de crédito do Brasil melhorou, de negativa para estável. Como argumento, a Moody's citou sinais de recuperação econômica, inflação em queda e cenário fiscal mais claro.

"O surgimento no ano passado de um ambiente positivo para as reformas sinaliza a melhora do funcionamento das instituições que darão suporte à implementação da reforma fiscal e à aprovação da reforma da Previdência neste ano", indicou a agência.

O que se estranha é que a agência de risco tenha anunciado a mudança na nota do país às vésperas de uma das votações mais importantes no Congresso, justamente a da reforma da Previdência, e que está longe de ter uma unanimidade entre os parlamentares. O anúncio foi feito ainda no mesmo dia em que houve grandes protestos em todo o país, com dezenas de milhares nas ruas justamente contra a reforma, mostrando claramente a posição da população com relação ao tema.

Protesto contra a reforma da Previdência levou milhares às ruas
Protesto contra a reforma da Previdência levou milhares às ruas

A decisão da Moody's de anunciar a melhora da nota do país antes da votação pode colocar o próprio Congresso em dúvida sobre uma possível pressão para a aprovação da reforma. Se a agência estiver fazendo qualquer tipo de movimento nesse sentido, pode ser encarado como uma desmoralização, acirrando ainda mais os ânimos entre os parlamentares e colocando em risco a importante votação num momento tão decisivo para o país.

Como se não bastasse, os argumentos da agência que citam um "ambiente positivo" são no mínimo curiosos. O país está mergulhado na mais grave recessão da história, com mais de 20 milhões de desempregados, estados falidos e uma população que sofre sem escolas e hospitais. 

Nesta quinta-feira (16) o Indicador de Confiança do Consumidor, medido pelo Serviço de Proteção ao Crédito Brasil e pela Confederação Nacional dos Dirigentes Lojistas, mostra que os consumidores brasileiros continuam pessimistas. Os principais motivos para a avaliação negativa são o orçamento apertado e dificuldades para pagar as contas (33%), desemprego (31%) e atraso no pagamento de dívidas (15%). Com relação à economia, 82% dos entrevistados acreditam que a situação está ruim ou muito ruim, contra somente 3% que consideram a situação boa ou muito boa. 

Afinal, que "ambiente positivo" é esse?

Tags: Risco, agência, brasil, economia, previdência, reforma, votação

Compartilhe: