Jornal do Brasil

Sábado, 30 de Agosto de 2014

País - Opinião

A vontade de enganar quando o interesse financeiro é o objetivo dos enganadores

Jornal do Brasil

Atualmente, os resultados das pesquisas, quando anunciados pela grande mídia, alardeiam a preocupação de que a presidente Dilma Rousseff está caindo. O Jornal do Brasil buscou os resultados das pesquisas referentes às eleições de 2010. Vejamos: na primeira, realizada em 26 de julho, logo após a oficialização das candidaturas de José Serra e Dilma Rousseff, o tucano aparece com 37% das intenções de voto, contra 36% de Dilma. O levantamento foi feito entre 20 e 22 de julho, com margem de erro do total da mostra de dois pontos percentuais. 

Hoje, os candidatos de oposição juntos não atingem o número de Dilma. Como podemos observar, a vontade de destruir a candidatura petista se envolve com o objetivo de lucros financeiros fundamentalmente nas bolsas de valores. 

Os próprios noticiários ressaltam: 'quando Dilma cai, a bolsa sobe'. Mas as manchetes sempre são: "Dilma caiu estupidamente". E como encontramos nos registros da última eleição presidencial, exatamente na mesma data de hoje (16 de julho), o candidato de oposição tinha um ponto na frente de Dilma.

Começa a mudar o cenário a favor da candidata do PT no final de julho, quando Dilma Rousseff e José Serra apareciam nos estudos empatados. No entanto, havia uma ligeira vantagem para Dilma, com 46%, seguida de Serra, com 45%. Já em 16 de agosto, a candidata petista fica a três pontos de uma vitória no primeiro turno. A ex-ministra passa a ter 41% contra 33% do tucano. Então, até o presente momento nada é valido no noticiário, tudo é ficção ou vontade de ganhar dinheiro.

PESQUISA DO INSTITUTO DATAFOLHA REFERENTE AO MÊS DE JULHO DE 2010:

05/07/2010 

Dilma e Serra estão empatados

José Serra (PSDB) e Dilma Rousseff (PT) estão empatados em pesquisa de intenção de voto para presidente realizada pelo Datafolha. O candidato tucano tem 39% e a petista tem 38%. A diferença entre os dois candidatos está dentro da margem de erro da pesquisa. Em relação ao levantamento anterior, feito em maio, Serra oscilou dois pontos percentuais, e Dilma oscilou um. Ambas as movimentações foram positivas. Já Marina Silva (PV) oscilou negativamente de 12% para 10%. O percentual de eleitores que pretende anular ou voto ou votar em branco manteve-se estável em relação a maio, eram 5% e agora são 4%. Os indecisos oscilaram de 9% para 8%.

Neste levantamento, foram entrevistados 2658 eleitores de 16 anos ou mais nos dias 30 de junho e 1 de julho de 2010, e a margem de erro é dois pontos percentuais, para mais ou para menos. Foi a primeira pesquisa realizada após a exibição do programa eleitoral do PSDB, no último dia 17, do PPS, no último dia 10, do PTB, no último dia 24 e do DEM, no dia 27 de maio.

O Datafolha também avaliou a intenção de voto em um cenário com candidatos "nanicos". Também nesse cenário, os dois principais postulantes ao Planalto aparecem empatados. Serra tem 39% das intenções de voto e Dilma tem 37%. Marina Silva tem 9%. Apesar de todos os dez candidatos de partidos menores terem sido citados, apenas Ciro Moura (PTC) atinge 1%. Na última quarta-feira, quando o campo já estava em processamento, Ciro Moura retirou sua candidatura. O mesmo aconteceu com Mário de Oliveira (PT do B), cujo nome também foi avaliado na pesquisa.

Na intenção de voto espontânea, também há empate técnico. A ex-ministra ganhou três pontos e chegou a 22%, e José Serra cresceu de 14% para 19%. Os que declaram voto em Lula mantiveram-se em 5%, e 4% afirmam votar no candidato do Lula. Declaram não saber 42%, contra 49% do levantamento anterior.

A rejeição ao candidato do PSDB diminuiu. Quando questionados em quem não votariam no primeiro turno das eleições, 24% afirmaram que não votariam em Serra (eram 27% em maio), e 20% afirmaram que não votariam em Dilma (mesmo percentual de maio).

Quando questionados sobre a decisão do voto, 71% afirmaram que estão totalmente decididos em quem vão votar. Esse percentual é maior entre os homens (77%), no Nordeste (77%), entre os que têm idade de 60 anos ou mais (82%) e entre os que possuem ensino fundamental (77%). Dos que votam em Serra, 70% afirmaram estar decididos, percentual este que sobe para 78% entre os eleitores de Dilma e é de 58% entre os eleitores de Marina.

Já 26% disseram que o voto ainda pode mudar, sendo 37% entre os eleitores entre 16 e 24 anos. Caso esses indecisos resolvam mudar o voto, Dilma Rousseff é quem mais receberia votos (28%), seguida por Serra (24%) e Marina (23%). Afirmam não saber em quem votariam 18%.

Mesmo empatada tecnicamente com Serra, Dilma é apontada como vencedora das eleições por 43% dos entrevistados (52% entre os homens, 55% entre os que têm escolaridade superior, 52% entre os com renda familiar acima de dez salários mínimos). Na opinião de 33% Serra vai ser o próximo presidente (40% no Sul) e 21% dizem não saber. O grau de confiança em Dilma é maior entre seus eleitores, dos quais 83% dizem que a candidata sairá vencedora. Já dos eleitores de Serra, acreditam na vitória do tucano 65%.

 

Serra cresce mais na Região Sul e entre as mulheres

A região Sul foi onde o candidato peessedebista mais cresceu e atingiu seu melhor desempenho. O tucano subiu de 38% para 50% em detrimento de Dilma, que perdeu três pontos e tem 32% e de Marina, que perdeu quatro pontos e agora tem 8%. Os indecisos oscilaram de 10% para 8%. Em 2006, no primeiro turno das eleições, Alckmin teve 51% dos votos, e Lula 32%.

 Na região onde Dilma tem mais força, o Nordeste, Serra oscilou negativamente três pontos e chegou a 30%. Dilma oscilou três pontos para cima e tem 47%. Em 2006, no primeiro turno das eleições, Lula teve 59% dos votos, e Alckmin 23%.

 Na outra região onde a petista lidera, o Norte/Centro-Oeste, a candidata saiu de 40% para 42%, e Serra, de 34% para 38%. Os ganhos deram-se em detrimento de Marina, que foi de 14% para 9%.

 No Sudeste, maior colégio eleitoral do país, Serra oscilou de 40% para 43% e Dilma manteve-se com 33%. Em 2006, no primeiro turno das eleições, Alckmin teve 41% dos votos, e Lula 40%.

Na análise por segmentos, Serra oscila negativamente entre os homens (de 36% para 34%), mas aumenta em sete pontos a intenção de voto entre as mulheres, atingindo 45%. Dilma, por sua vez, amplia sua aceitação entre os homens (de 42% para 46%), mas perde entre as mulheres (33% para 30%).

Outros destaques são o crescimento do tucano entre os eleitores de 60 anos ou mais, de 38% para 43%, e a queda de Dilma entre os que têm entre 25 e 34 anos, de 42% para 37%. Nas quebras por escolaridade e por renda familiar mensal, os percentuais de intenção de voto dos dois candidatos alteram-se dentro da margem de erro da pesquisa.

 

Candidatos também estão empatados em simulação de segundo turno

Se o segundo turno das eleições para presidente fosse hoje, Serra e Dilma estariam tecnicamente empatados. Serra teria 47% dos votos e Dilma 45%. Na pesquisa anterior, esses percentuais eram, respectivamente, de 45% e 46%. Os índices de eleitores que votariam em branco ou anulariam (5%) e os indecisos (4%) não variaram.

 

Cresce índice dos que viram propaganda de Serra

A pesquisa do Datafolha também avaliou o alcance das propagandas eleitorais no último mês e no ano de 2010.

Metade dos eleitores declara ter visto alguma propaganda de Serra na TV nos últimos 30 dias. Na pesquisa anterior, este índice era de 29%.

No Sul, região onde o candidato mais cresceu, 58% afirmam ter visto alguma propagando do candidato tucano, contra 28% da pesquisa anterior.

Recentemente, o candidato apareceu no programa eleitoral do PSDB, no último dia 17, do PPS, no último dia 10, do PTB, no último dia 24 e do DEM, no dia 27 de maio. Esses programas tiveram a duração de dez minutos.

Já em inserções de 30 segundos ou um minuto, o candidato apareceu em programas do PPS nos dias 3, 5, 6, 8 e 10 de junho, em programas do PTB nos dias 12, 17, 19 e 24, e em programas do PSDB nos dias 15, 22, 26 e 29.

Já 34% afirmam ter visto alguma propaganda de Dilma no último mês (41% no Sul, contra 40% em maio). Na pesquisa anterior eram 37%.

Apenas 21% declaram ter visto alguma propaganda de Marina, mesmo percentual de maio.

No ano de 2010, 64% lembram-se de ter visto propaganda de Serra na TV, 48% de Dilma e 31% de Marina.

Questionados se o apoio do presidente Lula a um candidato levaria à escolha desse nome, 41% responderam que escolheriam com certeza, 28% responderam que não votariam nesse candidato e 24 % responderam que talvez votem nesse candidato. Na pesquisa anterior, as taxas eram de 44%, 26% e 22%, respectivamente. Entre os eleitores do Sudeste, 34% responderam que escolheriam esse candidato, 35% não votariam nele e 24% talvez votassem no candidato apoiado pelo presidente. Entre os eleitores da região Nordeste, 59% afirmam que escolheriam com certeza esse candidato, 17% não votariam nesse candidato e 20% talvez votassem no candidato.

Entre aqueles com ensino fundamental, 47% afirmaram que escolheriam com certeza o candidato apoiado pelo presidente Lula e 24% não votariam nesse candidato. Entre aqueles com ensino médio, 39% afirmam que votariam no candidato apoiado pelo presidente e 26% talvez votem nesse candidato. Entre aqueles com renda familiar mensal de até 2 salários mínimos, 46% afirmaram que escolheriam esse candidato e entre aqueles com renda familiar de cinco a dez salários mínimos, 27% escolheriam com certeza o candidato apoiado pelo presidente. Entre aqueles que avaliam o governo do presidente Lula como ótimo ou bom, 50% afirmaram votaria em candidato apoiado pelo presidente e 19% afirmaram que não.

Questionados se conhecem o candidato(a) apoiado(a) pelo presidente Lula, 18% dos entrevistados afirmaram não saber; dois pontos percentuais a menos que na pesquisa anterior, 75% disseram Dilma Rousseff (antes 71%), 4% José Serra (antes 5%) e 3% Marina Silva (antes pontuava 4%). Entre os eleitores no Nordeste, 72% afirmaram que o candidato apoiado por Lula é Dilma Rousseff, 20% afirmaram não saber e 4% pensam que é José Serra. Entre os entrevistados do Norte/Centro Oeste, 2% pensam que o candidato do presidente Lula é Marina Silva e 18% não sabem.

Quanto ao sexo, os homens se mostraram mais informados que as mulheres: 82% deles acreditam que o candidato(a) apoiado(a) pelo presidente Lula é Dilma Rousseff e 12% não sabem, enquanto que entre as mulheres o índice dos que acreditam ser Dilma cai para 67% e 24% alegaram não saber.

Quanto ao nível de escolaridade, entre aqueles que possuem ensino fundamental, 64% responderam que o candidato apoiado pelo presidente Lula é Dilma Rousseff, 26% afirmaram não saber, 5% pensam que é José Serra e 4% acreditam ser Marina Silva. Entre aqueles com ensino superior, 92% sabem que o presidente Lula apóia a candidata Dilma Rousseff e 4% não sabem.

 

Dilma é conhecida por 91%, Serra por 98% e Marina por 69% dos entrevistados

Questionados sobre o nível de conhecimento dos pré-candidatos às eleições de outubro, 91% dos entrevistados alegam conhecer Dilma Rousseff, 98% conhecem José Serra e 69% conhecem Marina Silva. Na pesquisa atual, dos que conhecem Dilma, 15% alegam conhecê-la muito bem, 35% a conhecem um pouco e a 42% conhecem só de ouvir falar. Dos que conhecem José Serra, 33% o conhecem muito bem, 37% o conhecem um pouco e 28% apenas ouviram falar dele. E dos que conhecem Marina Silva, 9% a conhecem muito bem, 23% a conhecem um pouco e 38% a conhecem apenas de ouvir falar. Em relação à pesquisa anterior realizada em maio não foram observadas variações significativas.

Entre os entrevistados na região Nordeste que alegam conhecer a candidata Dilma (88%), 51% a conhecem apenas de ouvir falar e 8% conhecem muito bem. Entre os eleitores da região Sul que alegam conhecer Serra (99%), 40% o conhecem muito bem e 21% conhecem só de ouvir falar. Entre os entrevistados nas regiões Norte/Centro-Oeste que alegam conhecer Marina Silva (75%), 42% a conhecem só de ouvir falar e 11% a conhecem muito bem.

Dilma e Marina são mais conhecidas entre os homens (94% e 71%, respectivamente) do que entre as mulheres (88% e 68%, respectivamente). Entre as mulheres, apenas 2% alegam não conhecer o candidato José Serra.

Quanto menor a escolaridade, menor é o conhecimento sobre os pré-candidatos. Entre aqueles que possuem o ensino fundamental, 13% afirmaram que não conhecem Dilma Rousseff, 2% não conhecem José Serra e 36% não conhecem Marina Silva, já entre aqueles com ensino superior, os índices são de 2%, 1% e 13%, respectivamente.

Na mesma razão, quanto maior a renda familiar, maior o nível de informação sobre os candidatos: entre aqueles que possuem renda familiar média mensal de até dois salários mínimos, 97% conhecem Serra, dos quais 25% o conhecem muito bem, 64% conhecem Marina, dos quais 4% a conhecem muito bem e 88% conhecem Dilma, entre os quais 8% a conhecem muito bem. Entre aqueles que alegam possuir renda familiar de mais de 10 salários mínimos mensais, 98% conhecem Serra, 78% conhecem Marina e 93% conhecem Dilma.

 

Para 58% dos entrevistados, o nome do vice não influencia a decisão do voto

Questionados se o apoio do presidente Lula a um candidato levaria à escolha desse nome, 41% responderam que escolheriam com certeza, 28% responderam que não votariam nesse candidato e 24 % responderam que talvez votem nesse candidato. Na pesquisa anterior, as taxas eram de 44%, 26% e 22%, respectivamente. Entre os eleitores do Sudeste, 34% responderam que escolheriam esse candidato, 35% não votariam nele e 24% talvez votassem no candidato apoiado pelo presidente. Entre os eleitores da região Nordeste, 59% afirmam que escolheriam com certeza esse candidato, 17% não votariam nesse candidato e 20% talvez votassem no candidato.

Entre aqueles com ensino fundamental, 47% afirmaram que escolheriam com certeza o candidato apoiado pelo presidente Lula e 24% não votariam nesse candidato. Entre aqueles com ensino médio, 39% afirmam que votariam no candidato apoiado pelo presidente e 26% talvez votem nesse candidato. Entre aqueles com renda familiar mensal de até 2 salários mínimos, 46% afirmaram que escolheriam esse candidato e entre aqueles com renda familiar de cinco a dez salários mínimos, 27% escolheriam com certeza o candidato apoiado pelo presidente. Entre aqueles que avaliam o governo do presidente Lula como ótimo ou bom, 50% afirmaram votaria em candidato apoiado pelo presidente e 19% afirmaram que não.

Questionados se conhecem o candidato(a) apoiado(a) pelo presidente Lula, 18% dos entrevistados afirmaram não saber; dois pontos percentuais a menos que na pesquisa anterior, 75% disseram Dilma Rousseff (antes 71%), 4% José Serra (antes 5%) e 3% Marina Silva (antes pontuava 4%). Entre os eleitores no Nordeste, 72% afirmaram que o candidato apoiado por Lula é Dilma Rousseff, 20% afirmaram não saber e 4% pensam que é José Serra. Entre os entrevistados do Norte/Centro Oeste, 2% pensam que o candidato do presidente Lula é Marina Silva e 18% não sabem.

Quanto ao sexo, os homens se mostraram mais informados que as mulheres: 82% deles acreditam que o candidato(a) apoiado(a) pelo presidente Lula é Dilma Rousseff e 12% não sabem, enquanto que entre as mulheres o índice dos que acreditam ser Dilma cai para 67% e 24% alegaram não saber.

Quanto ao nível de escolaridade, entre aqueles que possuem ensino fundamental, 64% responderam que o candidato apoiado pelo presidente Lula é Dilma Rousseff, 26% afirmaram não saber, 5% pensam que é José Serra e 4% acreditam ser Marina Silva. Entre aqueles com ensino superior, 92% sabem que o presidente Lula apóia a candidata Dilma Rousseff e 4% não sabem.

Os entrevistados foram questionados sobre o nível de influência que o nome do vice exerceria sobre a sua decisão de voto e, para 17% deles, o nome do vice influencia muito, para 25% influencia um pouco e para 58% não influencia nada. No Sudeste, 27% afirmaram que influencia um pouco, no Nordeste, 63% responderam que não influencia nada. A influência do vice é menor quanto maior a escolaridade: entre aqueles com ensino fundamental, 64% afirmaram que não influencia, entre aqueles com ensino médio, 54% afirmaram que não influencia e entre aqueles com ensino superior, 46% afirmaram que não influencia.

Questionados se conheciam os vices de cada um dos candidatos a presidente, o nível de desconhecimento é bastante alto: 94% dos entrevistados não souberam dizer qual o vice na chapa de Dilma Rousseff, 96% não souberam apontar o vice na chapa de Serra e 98% não conhecem o vice de Marina Silva. Entre aqueles que afirmaram votar em Dilma Rousseff, 8% citaram Michel Temer como seu vice e 90% não sabem. Entre os eleitores de José Serra, 2% citaram Álvaro Dias como o seu vice e 95% não sabem e entre os eleitores de Marina Silva, apenas 1% citaram Guilherme Leal enquanto que 99% alegam não saber quem é o seu vice. Vale lembrar que a pesquisa foi realizada no dia da definição do vice da chapa de José Serra, portanto, o dep. Índio da Costa, do DEM-RJ não é citado.

Tags: dilma, Eleições, pesquisas, presidenciais, serra

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.