Jornal do Brasil

Segunda-feira, 20 de Outubro de 2014

País - Opinião

O fim da Fifa

Jornal do Brasil

Países como Itália, Inglaterra e Espanha já perderam todos os pudores e incluem, ou estão prestes a considerar, as receitas produzidas pela prostituição, tráfico, ações mafiosas e contrabando no seu Produto Interno Bruto. No Reino Unido, estima-se que o total do dinheiro marginal signifique um crescimento de 37 bilhões de reais no PIB. Imagine se fosse aqui para usar apenas um verbo tão a gosto do complexo de vira-latas de grande parte de nossa mídia e iludidos formadores de opinião.

Mas nem ingleses, italianos e espanhóis têm primazia neste esdrúxulo procedimento. Mesmo sem contabilizar oficialmente as receitas criminosas no seu PIB, de alguma forma é a Suíça, no continente europeu, a primeira nação onde o dinheiro escuso flui como moeda obtida dentro da legalidade. Além de  parte de seus bancos historicamente cobrirem de sigilo contas bancárias de originadas no submundo, está em Zurique a sede da Federação Internacional de Futebol.

A Copa do Mundo no Brasil serviu para mostrar que  o país tem capacidade de realizar grandes eventos e promover uma alegre e organizada Babel dos tempos modernos ao receber com carinho e conforto nas ruas, aeroportos e hotéis milhares e milhares de estrangeiros.

Mas o evento contribuiu para muito mais do que a demonstração ao mundo de uma admirável festa esportiva. Foi aqui, depois de quatro Copas, que a polícia do Rio de Janeiro e o Ministério Público desfecharam um golpe duríssimo na quadrilha internacional que vendia ingressos desviados da própria Fifa. Fato que, por si só, escancara a competência de agentes policiais brasileiros e que deve agora transferir o sentimento de viralatice para as forças de segurança da França, Coréia/Japão, Alemanha e África do Sul, sedes dos últimos mundiais, onde a bandalheira também correu mais solta do que a bola.

A polícia do Rio pilhou o bando e levou às cordas os maiorais da Fifa, entre eles seu presidente Sepp Blatter. Afinal é um homem chamado Phillippe um dos mentores de todo o esquema fraudulento, como diz o especializado jornalista inglês Andrew Jennings. E quem é Phillippe? Simplesmente sobrinho de Blatter e sócio da empresa Match, vendedora exclusiva de todos os três milhões de ingressos no Brasil.

As ligações entre a Fifa e a Match são tão intestinas que esta última, recentemente, recebeu da instituição dirigida por Blatter um empréstimo de 10 milhões de dólares para dar andamento ao processo de negociação dos ingressos. E quanto de juros a Fifa cobrou? Zero, isso mesmo, zero. E qual era a data do pagamento destes 10 milhões? Janeiro de 2015, quando o butim estivesse encerrado.

Blatter mostra indignação. Quem acredita nela é capaz de acreditar em tudo. Ele é o manda-chuva da entidade que preside, desde 2001, mas já dava as cartas em 1998, como secretário-geral.

A Copa chega ao seu final com todos os méritos para o Brasil fora de campo e humilhação no gramado. Exatamente de maneira inversa das apostas feitas pela imprensa: sucesso em campo e fracasso fora dele. Mas o grande legado que o Brasil deixa ao mundo em especial a americanos e ingleses, que jamais nutriram confiança em Blatter e seus malfeitores, é o desbaratamento desta quadrilha que expõe a todos os continentes que o chamado padrão Fifa não passa de um miasma. E como fede.

Tags: blatter, brasil, Copa, investigação, polícia

Compartilhe:

Comentários

1 comentário
  • Luis felipe rossi

    Muito feliz esse comentário.Canso de dizer que a FIFA não passa de uma organização criminosa muito bem organizada que atua em vários países nos moldes de uma multinacional. O que esta empresa ou instituição, sei lá o que é afinal, é de amargar. Chegou em nosso país com a complacência deste governo e
    ditou as normas daquilo da qual já possui um imenso know how dessa matéria e aqui cometeu as maiores arbitrariedades e falcatruas, tudo com a cumplicidade do governo e autoridades políticas e empresariais. Felizmente trouxe à tona todas as mazelas não só do futebol, como de toda a sujeira que envolve nossos meios esportivos.Enfim. Agora felizmente um de seus tentáculos foi desbaratado por nossa polícia que deu uma demonstração de competência e dignidade.
    O que se tem que fazer daqui para frente é um movimento de todas as confederações do mundo todo e rever esses conceitos praticados pela FIFA e se for necessário seja banida da organização do futebol mundial.

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.