Jornal do Brasil

Terça-feira, 16 de Setembro de 2014

País - Opinião

Trens urbanos: o retrato de um governo que descarrilou

Jornal do Brasil

A triste cena que assistimos na manhã desta quarta-feira (22), com milhares de pessoas caminhando pelos trilhos da rede ferroviária urbana do Rio, é o retrato do ocaso de um governo. Reflexo da incapacidade, ou a falta de vontade mesmo, de dar a essas pessoas um transporte com as mínimas condições de conforto, segurança e eficiência. São milhões de trabalhadores maltratados diariamente na via férrea a caminho do trabalho.

O Jornal do Brasil há tempos vem alertando para o problema dos trens urbanos do Rio e em setembro, na matéria "Diário sobre trilhos: 15 anos de problemas e falhas da SuperVia", listava todos esses problemas. A Agetransp – agência que regula e fiscaliza os transportes públicos no Rio – nesses quinze anos de falta de investimentos, acidentes e transtornos constantes na via férrea, nunca tomou atitude alguma com relação à concessionária e pelo que se viu nos últimos dias de 2013, vai continuar do mesmo jeito.

No final de dezembro, o governador Sérgio Cabral nomeou para a Agetransp o ex-diretor do Metro, Cesar Ferraz Mastrangelo, além do ex-cehefe de gabinete da Casa Civil, Arthur Vieira Bastos, os ex-deputados Aparecida Gama e Carlos Correia, e a ex-chefe de gabinete do presidente da Alerj, Lucineide Pereira Cabral Marchi. Com esse time, fica fácil prever os rumos da agência.

Os problemas que os trabalhadores que dependem dos trens urbanos enfrentam constantemente não se restringem apenas às falhas do transporte. O atraso para chegar no trabalho é outro transtorno que ninguém pode resolver. Como explicar ao patrão tantos atrasos por conta do trem? Quem vai arcar com o prejuízo do ponto cortado? Perguntas que certamente ficarão sem respostas.

Os flagrantes dos problemas nos transportes públicos no Rio são diários, para desespero da população carioca que infelizmente não tem para quem reclamar. A apatia e inépcia da Agetransp se estende também ao Metro que não se integra totalmente com outros meios de transporte, não tem investimentos para ampliação da rede e por várias vezes os equipamentos de acesso estão parados, como escadas rolantes e elevadores que deveriam servir a cadeirantes. Esse é o retrato dos transportes públicos do Rio e também a cara de um governo que está no fim.   

Tags: diarios, dos problemas, flagrantes, no rio, nos, os, públicos, são, Transportes

Compartilhe:

Comentários

1 comentário
  • ricardoantunes

    O Cabral elege quem ele quer, a partir daí, cabe ao eleito saber fazer as decisões certas.

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.