Jornal do Brasil

Terça-feira, 30 de Maio de 2017

Economia - Negócios e Marketing

Praça Tiradentes: novo point do samba e da economia criativa da cidade

Jornal do Brasil

Toda sexta-feira a partir das 18h, começa o movimento. São inúmeras barracas com artesanato, gastronomia, roupas, etc . Elas fazem parte de um novo conceito criado pela Rede Carioca de Rodas de Samba, que além de fomentar e viabilizar políticas públicas para as rodas, tem buscado criar formas de sustentabilidade para esse módulo cultural da cidade, que atrai milhares de pessoas e funciona o ano todo. 

Nesta sexta, 19 de maio, a roda de samba Pede Teresa completa 1 ano de atuação na Praça Tiradentes. “Nossa história não começou aqui. E entendemos que todas as edições foram importantes para a nossa construção. Porém, a Praça Tiradentes tem sido importante para todos, além de nós. Ela é um dos lugares mais importantes da cidade e, cada pedra  deste lugar traz muita história, portanto, estamos muito felizes em termos o nosso capítulo marcado nesse local”, explica Felipe Duarte, produtor cultural.

Nesta sexta, 19 de maio, a roda de samba Pede Teresa completa 1 ano de atuação na Praça Tiradentes
Nesta sexta, 19 de maio, a roda de samba Pede Teresa completa 1 ano de atuação na Praça Tiradentes

Ele explica que o samba possui uma importância social muito grande e, durante esse primeiro ano de atuação foi possível observar muitas facetas no entorno desse evento.

“O samba é produto do proletariado carioca, sem qualquer distinção. Sabemos, inclusive, que já foi um gênero  proibido, portanto, fazer samba e gerar economia criativa  para o nosso povo em plena Praça pública é uma resistência que nos orgulha.  Em 1865, a Praça recebeu quatro estátuas que, representam as quatro virtudes das nações modernas:  a Justiça, a Liberdade, a União e a Fidelidade. Nos orgulhamos em reproduzir essas virtudes muitos anos depois, neste mesmo local e, abrir o caminho para que outras rodas  e movimentos assim também o façam. A Praça Tiradentes se tornou um lugar de liberdade. Gênero, cor, religião, posição política ou social não importam neste ambiente. Que haja mais intervenções e mudanças positivas como esta por toda a cidade, o trabalhador brasileiro tem o direito de consumir sua própria cultura, finaliza o produtor.

Para a roda de sexta, haverá a participação especial de alguns convidados. Entre eles, a cantora Simone Costa, do grupo É Preta, Fernando Procópio, da roda Aos Novos Compositores e  Tiãozinho Mocidade.  A festa é gratuita e começa às 18horas.

Tags: artesanato, conceito, gastronomia, moda, políticas públicas, rede carioca, sustentabilidade

Compartilhe: