Jornal do Brasil

Segunda-feira, 22 de Janeiro de 2018 Fundado em 1891

Colunistas - Comunidade em pauta

Adolescência: um período de contrastes

Jornal do BrasilDavison Coutinho*

O processo de crescimento da criança é como o germinar de uma semente que deve ser respeitado e, sob a pena de desperdiçar habilidades ou adormecer aptidões. A adolescência é um período do contraste entre ser criança e ter corpo de adulto.  É o momento de vivenciar novas experiências, e geralmente nesta fase que os adolescentes começam a entrar em contato com a sexualidade.

A gravidez na adolescência é uma realidade no Brasil, o número vem caindo e são cerca de 22% o número de adolescentes grávidas no pais. Na Rocinha, favela situada entre dois bairros nobres, é lamentável a quantidade de meninas que engravidam entre 12 e 16 anos, é estimável que cerca de 30% das meninas da comunidade engravidam nessa faixa etária.  Essa sujeição se dá pelos problemas sociais, desestrutura da família, baixa escolarização e profissionalização, muitas vezes se dá para poder agredir a família ou por verem na gravidez a esperança de saírem de casa e terem uma relação afetiva ao lado do pai da criança.

A gravidez das jovens da comunidade, de modo geral acaba sendo enfrentada com muitos obstáculos e dificuldades, pois uma adolescente ainda não pode assumir uma gravidez e cuidar de uma criança, o pai muitas vezes por ser muito jovem e ainda imaturo, abandona o barco deixando para as famílias envolvidas a responsabilidade do ser gerado.

Lamentavelmente os governantes fecham os olhos para essa triste realidade, é preciso que o processo de educação atue com ações que auxiliem a evitar o risco da gravidez na adolescência, é preciso orientar, capacitar e realizar um grande trabalho de conscientização dentro das comunidades. Além de ser preciso tratar as jovens que engravidaram, oferecendo para um tratamento digno e humano com todo cuidado. Para as jovens é necessário um programa de ressocialização com ofertas de cursos de capacitação e formação, para que elas possam após a gravidez voltarem aos estudos e atuarem no mercado profissional.

Além de todos os riscos sociais, a maior preocupação é com os problemas de saúde provocados pela gravidez na adolescência. Segundo a Organização Mundial da Saúde as Complicações na gravidez e no parto são a primeira causa de morte entre meninas de 15 a 19 anos em países pobres. De acordo ainda com a Organização, muitas adolescentes não sabem como evitar uma gravidez ou não têm acesso aos métodos contraceptivos.

O retrato é preocupante e vem se repetindo: uma juventude com poucas perspectivas,  acaba gerando um ciclo de pobreza passado de pai para filho. 

* Davison Coutinho, 23 anos, morador da Rocinha desde o nascimento. Formando em desenho industrial pela PUC-Rio, membro da comissão de moradores da Rocinha, Vidigal e Chácara do Céu, professor, escritor, designer e liderança comunitária na Comunidade, funcionário da PUC-Rio.

Tags: Trabalho, capacitar, de conscientização, dentro das comunidades, e realizar, um grande

Compartilhe: