Jornal do Brasil

Quarta-feira, 30 de Julho de 2014

Esportes - JB na Copa

Cidade da Copa está longe de sair do papel em Pernambuco

Portal Terra

A Cidade da Copa é um projeto que tem como cronograma de ampliação 25 anos, ou seja, ainda falta muito para que ela comece a sair do papel. "A Arena Pernambuco faz parte e, na construção desse projeto, se priorizou o estádio, em decorrência da constatação de que sem ele não haveria Copa das Confederações e Copa do Mundo”, explicou o secretário extraordinário do Mundial em Pernambuco, Ricardo Leitão, depois de deixar claro que o local escolhido para construção da arena tinha levado em conta a possibilidade de expandir a Região Metropolitana do Recife em direção ao oeste.

Além da Arena Pernambuco, eram previstas a construção de diversos empreendimentos imobiliários no restante do terreno de 242 hectares, que foi recentemente cedido pelo poder público para que a Sociedade de Propósito Específico Arena Pernambuco (controlada pela Odebrecht) realize seu projeto modelo. Até o momento, no entanto, não existe nenhuma garantia de que a Cidade da Copa sairá do papel e ajudará a pagar a conta da Parceria Público Privada responsável pelo estádio, construído na cidade de São Lourenço da Mata, a cerca de 20 quilômetros do Centro do Recife.

O Governo do Estado, na entrevista de avaliação da Copa do Mundo no estado, apenas lembrou que 135 imóveis foram desapropriados nesta área e que o valor histórico do projeto da Arena Pernambuco era de R$532 milhões. Ainda falta esclarecer qual o preço que será utilizado para os pagamentos, já que houve uma aceleração da construção e isso causou uma disputa, já que o poder público não aceita os números repassados pela Odebrecht (que também não foram divulgados).

“Em função da prioridade da Arena houve um licenciamento ambiental específico, para o projeto imobiliário do estádio e só recentemente a Alepe aprovou o projeto 1973/2014, fazendo a (doação) transferindo a conversão do direito uso real em propriedade plena do parceiro privado do governo que é a Sociedade de Propósitos Específicos Arena Pernambuco”, explica Ricardo Leitão, sobre o terreno da Cidade da Copa. Esse atraso no cronograma do projeto imobiliário, no entanto, reverbera diretamente nos custos para o Governo de Pernambuco do estádio, já que os imóveis deveriam cobrir parte dos gastos com a sede pernambucana da Copa do Mundo.

Tags: estádios, infraestrutura, Mundial, Obras, reformas

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.