Jornal do Brasil

Segunda-feira, 22 de Setembro de 2014

Esportes - JB na Copa

Fifa anuncia legado com valores quatro vezes menores

Portal Terra

Legado é uma palavra que incomoda o brasileiro desde os Jogos Panamericanos de 2007. Mais uma vez a Fifa anuncia que vai deixar um legado para o futebol brasileiro após a Copa do Mundo. O valor, por enquanto é bem menor que os US$ 100 milhões (cerca de R$ 225 mi)  anunciados por Joseph Blatter no ano passado. Chega por enquanto a US$ 20 milhões (R$ 45 mi) e com algo concreto: campos de futebol que serão inaugurados em Belém no início do próximo mês ao lado do Mangueirão, numa área de 40 mil metros quadrados. “Esse é um valor inicial, que pode aumentar duas, três, quatro, cinco, seis vezes, dependendo dos resultados da Copa do Mundo”, justificou Thierry Resnass, responsável pelo projeto de desenvolvimento da entidade.

Ao seu lado o presidente da CBF, José Maria Marín, agradecia o investimento e tentava explicar o porquê de a sua entidade, que fatura cerca de US$ 200 milhões (R$ 450 mi) por ano precisar de ajuda da Fifa para investir no futebol de base, futebol feminino e outros temas relacionados ao desenvolvimento do futebol no País. “Desde que chegamos à CBF, nós fomentamos o futebol brasileiro através da séries C e D totalmente subsidiadas com passagens, hotel, arbitragem, exames antidoping e sete bolas”, se gabou o presidente.

Mas José Maria Marín foi além. “Fizemos uma sede nova, um museu, e vamos ter ônibus da CBF para levar pessoas para conhecer a Granja Comary, com chance até de almoçar lá”, disse orgulho com esse legado e anunciando que em breve o campeonato Brasileiro vai ganhar um patrocinador master.  Ele disse ainda que é totalmente justificável a CBF gastar quase R$ 80 milhões em sua sede nova. “Um País pentacampeão mundial de futebol não pode não ter uma sede. Além do mais, investimos também na Granja Comary”, disse.

Para a Fifa a coisa no Brasil tem que ser bem diferente do que foi na África do Sul, onde até agora pouco se viu de investimento na base do futebol no País. “Nosso início na África do Sul foi um pouco lento, mas já há dinheiro na conta bancária e temos que organizar o futebol juvenil, disponibilizar estrutura necessária no país”, disse. “No Brasil estamos tentando ser mais eficientes e iniciar de forma mais imediata. No dia 6 de julho já vamos inaugurar dois campos em Belém”, disse Reguenass, afirmando que os primeiros investimentos vão ser em locais onde não houve investimento direto por conta da Copa do Mundo.

Mas, o que fazer em lugares onde foram feitos estádios e que o mais provável é que se tornem elefantes brancos, como Manaus, Cuiabá e Brasília? Marín aposta na criatividade dos dirigentes. “Quando digo criatividade, digo em vários sentidos. O São Paulo Futebol Clube não utiliza o Morumbi apenas em futebol. Quando me refiro a criatividade, me refiro a gerar receitas fora do futebol”, tentou explicar se dizendo animado com o que vai acontecer no país depois da Copa.”Há grandes públicos até em partidas com menor expectativa. E desenvolvendo as séries A, B, C e D, vamos melhorar acesso de torcedores nas arenas construídas para a Copa”, sonha.

A Fifa promete ser rigorosa no controle dos gastos nesses projetos e já anunciou que vai ser aberta uma conta específica para que os fundos sejam depositados e gerenciados pelo Brasil, com auditoria, segundo Thierry Reguenass constante por parte da Fifa e admitiu problemas em programas anteriores (citou um caso no Caribe mas não especificou) onde o dinheiro acabou sumindo. “A Fifa não era uma organização com experiência nesses projetos até 2008. Então, pode ter havido projetos que não aconteceram como deveriam”, admitiu. Ele negou entretanto que, na África, o dinheiro tenha sido usado por dirigentes para compra de carros de luxo. “Os carros foram herdados da Copa do Mundo, afirmou.  

Tags: brasil, estádios, estrutura, Mundial, Obras

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.