Jornal do Brasil

Quinta-feira, 18 de Dezembro de 2014

Esportes - JB na Copa

Sem a presença de Dilma, Fifa faz festa em SP e Blatter é questionado

Dirigentes europeus pedem que Blatter não se candidate a um quinto mandato

Jornal do Brasil

O presidente da Fifa, Joseph Blatter, foi questionado por dois dirigentes esportivos europeus, na abertura do Congresso da entidade, em um hotel de São Paulo, nesta terça-feira. O holandês Michael van Praag, membro do comitê executivo da Uefa, e o presidente da Associação de Futebol da Inglaterra, Greg Dyke, contestaram Blatter e disseram que ele não deveria se candidatar a um quinto mandato. "O tempo dele na Fifa já passou", afirmaram.  

"Senhor Blatter, isso não é nada pessoal, mas se olhar para a reputação da Fifa nos últimos oito anos, vê-se que a entidade tem estado associada a todas as formas de corrupção. Penso que o senhor já não é o homem indicado para o cargo", disse Praag. 

Blatter respondeu a Praag que não iria renunciar e que se sentia com energia para continuar e fazer muito mais pela entidade.

>> A Copa, o Catar, a corrupção e as passeatas

>> Quem é a responsável pelas passeatas, a Copa ou a corrupção?

>> 'O que tinha que ser roubado já foi', diz texto publicado por Joana Havelange

>> O jogador milionário, o Brasil e o torcedor pobre

>> Blatter não tem categoria para falar de Lula e do Brasil

>> Copa: o grito do povo deixa claro quais são os alvos das manifestações

O presidente da Fifa abriu o Congresso com um pedido simples, mas bastante simbólico: "relaxem, conversem com amigos e aproveitem a noite. Esperem um congresso intenso amanhã (quarta-feira), mas agora aproveitem". O discurso era voltado para diversos dirigentes que estavam na abertura do evento, em São Paulo. Depois disso, aconteceram homenagens, shows de música, apresentações de dança e um grande jantar. Nem todos devem ter atendido o pedido de Blatter, mas a Fifa se esforçou para isso.

A lista de problemas que Blatter tem enfrentado é extensa. Existem as dificuldades da própria Copa, por causa dos estádios e dos protestos; e existem questões políticas, como as acusações de corrupção e o clima de eleição na entidade já existente. Foi por isso que Blatter tentou fazer um discurso animador, nesta terça-feira.

"Hoje estamos em um ambiente festivo. Tudo que tiver que ser discutido será amanhã. Mas hoje estamos aqui para a abertura. É um prazer estar em um país que vive, respira e come futebol. Esse país vai abraçar a Copa", afirmou, inclusive levantando o tom de voz em alguns momentos.

Depois aconteceu um momento igualmente otimista, com o discurso da presidente Dilma Roussef. Ela não foi ao evento e por isso suas palavras foram lidas por Aldo Rebelo, Ministro do Esporte. Dilma voltou a prometer a "Copa das Copas" e exaltou a estrutura erguida para a Copa no Brasil: "trabalhamos duro para fazer tudo que era necessário e que ficará para a população brasileira depois da Copa".

Quando alguns dirigentes já começaram a ficar entendiados com as homenagens, começou a série de shows. Foram diversas apresentações, inclusive de música árabe, e o destaque ficou por conta de Maria Rita. Ela cantou trechos de diversas músicas brasileiras, como "Águas de Março" e "Não deixe o Samba o Morrer", subindo ao palco três vezes.

A Fifa também se esforçou para mostrar a cultura brasileira aos dirigentes do mundo todo. Foram mostradas danças de samba, forró, frevo, sempre com dançarinos devidamente vestidos com trajes típicos. Vídeos também mostraram pontos turísticos do Brasil.

Com Portal Terra

Tags: blatter, Corrupção, federação, futebol, internacional

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.