Jornal do Brasil

Quarta-feira, 23 de Maio de 2018 Fundado em 1891
Jazz

Colunistas - Jazz

Turtle Island Quartet lança novo álbum

Jornal do Brasil Luiz Orlando Carneiro

Um quarteto de cordas tocando jazz é algo muito raro. Mas o Turtle Island Quartet, fundado há mais de trinta anos pelos violinistas David Balakrishnan e Darol Anger, continua atuante, com uma brilhante carreira documentada em mais de 15 álbuns, desde o inicial para o selo Windham Hill (1988), passando pelo notável A Love Supreme: The Legacy of John Cotrane (Telarc, 2007) – que ganhou um Grammy - até o agora lançado Bird's Eye View (Azica).

David Balakrishnan é o único remanescente do quarteto original, mas as outras cadeiras (segundo violino, viola e violoncelo) foram sempre ocupadas por músicos de alto nível técnico, de formação clássica, mas amantes da temática, da improvisação e do swing do jazz.

Quarteto de cordas concilia jazz e música clássica há mais de 30 anos

Em Bird's Eye View, o TIQ não interpreta – como pode sugerir o título do CD – apenas peças baseadas em temas específicos de Charlie “Bird” Parker, o lendário founding father do bebop. Como anotou o reviewer Tyran Grillo na The New York City Jazz Record, o quarteto “apresenta um novo programa centrado no espírito de Charlie Parker”. E “embora apenas um de seus temas [Dewey Square] tenha sido incluído na setlist, esses quatro músicos impecáveis partilham a predileção de 'Bird' pela expansão de parâmetros, e o resultado dessa alquimia é ouro puro”.

Quase um terço dos 62 minutos do novo registro contém uma suíte de quatro partes, de autoria de Balakrishnan, cujo título lembra até o de uma tese de doutorado: Aerolasticity: Harmonies of Impermanence. Mas mesmo os ouvintes menos plugados na chamada música erudita, dependentes de claras referências melódicas jazzísticas, vão apreciar a performance do quarteto em, pelo menos, duas partes da suíte: a balançante Lonesome George (7m20) e a impactante Flutter point(4m25).

O núcleo mais jazzístico propriamente dito de Bird's Eye View - com o violoncelista Malcolm Parson fazendo o papel de baixista, em pizzicato, é formado por quatro joias do “livro” do jazz moderno: Dewey Square (4m45), de Charlie Parker; Subconscious Lee (3m55), de Lee Konitz; Miles Ahead (4m45), de Miles Davis/Gil Evans; Django (5m20), de John Lewis.

Além da suíte que ocupa as quatro primeiras faixas do álbum, Balakrishnan assina outras duas peças: Rebirth of the holly fool (7m55), que combina a escrita erudita típica do quarteto de cordas com o espírito da música “caipira” americana (bluegrass); Squawk (5m20), composição inspirada num estranho evento ocorrido numa cidadezinha do Arkansas, no Ano Novo de 2011, quando uns cinco mil pássaros pretos (graúnas) caíram mortos do céu. Por sua vez, Propeller (6m35), de cativante swing, é assinada pelo titular da viola no Turtle Island Quartet, o alemão Benjamin von Gutzeit, radicado desde 2010 em Nova York, onde concluiu o mestrado na Manhattan School of Music.

(Samples do álbum Bird's Eye View podem ser ouvidos em: itunes.apple.com/us/album/birds-eye-view/1336109228)

itunes.apple.com/us/album/birds-eye-view/1336109228



Tags: coluna, jazz, jb, luiz, orlando

Compartilhe: