Jornal do Brasil

Segunda-feira, 23 de Abril de 2018 Fundado em 1891
Jazz

Colunistas - Jazz

Primeiro dos "Top CDs" de 2017 da Jazz Times é de Vijay Iyer 

Jornal do Brasil Luiz Orlando Carneiro

Dos 10 primeiros álbuns da aguardada lista da Jazz Times dos “Top 50 releases” de 2017 quatro são “assinados” por músicos americanos filhos de imigrantes: Vijay Iyer, Rudresh Mahanthappa, Cécile McLorin Salvant, Ambrose Akinmusire. O oitavo CD mais votado pelos principais críticos e colaboradores da influente revista especializada foi da contrabaixista Linda May Han Oh, nascida na Malásia, criada na Austrália e radicada em Nova York desde 2008.

Neste particular, os resultados dessa eleição dos 40 melhores álbuns do ano (os outros Top 10 são reedições de registros históricos) reforçam o entendimento de que o jazz é cada vez mais um modo de expressão musical multinacional, embora mantendo suas raízes afro-americanas e tendo o swing como causa formal. E também a constatação de que a América do Norte ainda é a grande nação do melting pot, apesar do discurso em sentido contrário do atual presidente Donald Trump (a propósito, neto de alemães que emigraram para os Estados Unidos).

Em 'Far from Over' (ECM), pianista-compositor filho de indianos lidera sexteto com saxofonistas Mark Shim e Steve Lehman

O álbum que obteve maior pontuação no poll da JT foi Far from Over (ECM), uma espécie de suíte de Vijay Iyer gravada em abril último, interpretada na moldura de um sexteto liderado pelo pianista-compositor (Graham Haynes, corneta, flugelhorn, efeitos eletrônicos; Steve Lehman, sax alto; Mark Shim, sax tenor; Stephen Crump, baixo; Tyshwn Sorey, bateria). O crítico Thomas Conrad assim falou do seu eleito: “Yier é um dos mais vistosos músicos no jazz. Sua erudição técnica e facilidade estão fora de questão, mas ele não é para qualquer um. Sua música, em termos de precisão, execução rápida e complexidade pode soar mais matemática e austera do que lírica ou pessoal”.

Os segundo e terceiro discos da relação dos “Top releases” de 2017 da Jazz Times foram: Passin' Thru (Blue Note), comemorativo do décimo aniversário do chamado novo quarteto do mestre saxofonista Charles Lloyd (Jason Moran, piano; Reuben Rogers, baixo; Eric Harland, bateria), com faixas gravadas ao vivo num concerto de julho de 2016; Morphogenesis (Pi Records), do oiteto camerístico do vanguardista Steve Coleman (sax alto), com destaque para Matt Mitchell (piano), Maria Grand (sax tenor) e a vocalista Jen Shyu.

Os outros sete CDs mais mencionados pelos experts reunidos pela JT foram, pela ordem, os seguintes:

- Agrima (Rudreshm.com), do saxofonista alto Rudresh Mahanthappa, mais Rez Abbasi (guitarra, efeitos eletrônicos) e Dan Weiss (bateria, tabla).

Dreams and Daggers (Mack Avenue), álbum duplo da vocalista Cécile McLorin Salvant, com Aaron Diehl (piano), Paul Sikivie (baixo), Lawrence Leathers (bateria), ao vivo, no Village Vanguard. Mais faixas de estúdio com a participação do quarteto de cordas Catalyst.

Honey and Salt: Music Inspired by the Poetry of Carl Sandburg (Palmetto), do baterista-compositor Matt Wilson. Música e poesia combinadas por Wilson com Dawn Thomson (guitarra), Ron Miles (corneta), Jeff Lederer (saxes), Martin Wind (baixo), e as vozes do líder, de seus sidemen, e de convidados ilustres como Joe Lovano, Bill Frisell e Carla Bley.

Hudson (Motéma), do luxuoso quarteto formado por John Scofield (guitarra), Jack DeJohnette (bateria), John Medeski (teclados) e Larry Grenadier (baixo). Postbop com referências folclóricas e tempero rockish.

Walk against Wind (Biophilia), da baixista-compositora Linda Oh, na companhia do saxofonista Ben Wendel, mais Matthew Stevens (guitarra), Justin Brown (bateria), mais o pianista Fabian Almazan em três das 11 faixas.

Daylight Ghosts (ECM), com o quarteto do vanguardista pianista-compositor Craig Taborn (Chris Speed, sax tenor; Chris Lightcap, baixos acústico e elétrico; Dave King, bateria e percussão eletrônica).

A Rift in Decorum/Live at the Village Vanguard (Blue Note), registro que consagra o trompetista Ambrose Akinmusire, 35 anos, como um dos mais destacados jazzmen de sua geração. Wm quarteto com Sam Harris (piano), Harsih Raghavan (baixo) e Justin Brown (bateria). (47)

(Samples do álbum Far from Over, de Vijay Yier, podem ser ouvidos em:

itunes.apple.com/us/album/far-from-over/1262602217).



Tags: artigo, coluna, jazz, luiz, orlando

Compartilhe: