Jornal do Brasil

Quarta-feira, 22 de Novembro de 2017

Jazz

O world jazz de Avital & Avital

Luiz Orlando Carneiro

O contrabaixista-compositor Omer Avital, 46 anos, é uma das estrelas da constelação de músicos israelenses que se firmou no céu do jazz nas últimas duas décadas, com o mesmo brilho dos irmãos Cohen (a clarinetista Anat, o trompetista Avishai e o saxofonista Yuval), dos guitarristas Roni Ben-Hur e Yotam Silberstein, e da pianista Anat Fort.

Nascido numa pequena cidade israelense, de pai marroquino e mãe iemenita, Omer emigrou para os Estados Unidos em 1992. Aos poucos, começou a ser ouvido e respeitado nos pequenos clubes da Downtown novaiorquina. Mas só chamou mesmo a atenção da crítica especializada depois que passou a integrar, a partir de 2002, o sexteto 3 Cohens e o conjunto Third World Love (Avishai Cohen, trompete; Yonathan Avishai, piano; Daniel Friedman, piano). Em 2006, gravou como líder o CD Arrival (Fresh Sound), à frente de um sexteto, na linha do que ele mesmo chamava de world jazz. Ou seja, jazz como modo de expressão musical cada vez mais aberto a apropriações culturais de etnias as mais diversas.

O baixista-compositor dá agora um novo e marcante passo nessa direção, com o lançamento, pela Deutsche Gramophon, do álbum Avital Meets Avital.

Baixista Omer e bandolinista clássico Avi lançam álbum na Deustche Gramophon
Baixista Omer e bandolinista clássico Avi lançam álbum na Deustche Gramophon

O outro Avital é o bandolinista também israelense cujo primeiro nome é Avi. Ele tem 38 anos, e dedica-se a transposições para o seu instrumento de peças do repertório da música clássica barroca, especialmente de Bach e de Vivaldi.

Sobre este seu quarto disco para o selo alemão Avi comenta: “Tem sido uma experiência fantástica trabalhar com um músico do calibre de Omer, e ficamos muito felizes de nos juntar ao pianista Yonathan Avishai e ao percussionista Itamar Doari. Trata-se de uma interessante exploração de jazz e world music, de nossas raízes no Oriente Médio e de nossa herança cultural (embora não sejamos parentes!)”.

Das nove faixas da setlist, seis são composições do baixista Omer: Zamzama (7m55), Lonely girl (7m40), Ana Maghrebi (5m), Ballad for Eli (4m40), Maroc (5m35) e Hijazain (6m30). O bandolinista Avi assina Avi's song (4m50) e Prelude (2m10). A balada The source and the sea (3m25) é interpretada pelo duo de virtuoses, sem acompanhamento. Em Maroc, o baixista faz uso do oud – uma espécie de alaúde de origem árabe fretless (sem trastes).

Os pontos mais altos desse registro dos dois virtuoses, em matéria de técnica, inspiração e magnetismo, são Ana Maghrebi(hgwww.youtube.com/watch?v=FzkA4X_uxQ0), a sedutora Zamzama, em 7/4, e Maroc.

(Samples de todas as faixas podem ser ouvidas em: www.prestoclassical.co.uk/r/DG/4796523#listen)

Tags: artigo, coluna, jazz, jb, luiz, orlando

Compartilhe: