Jornal do Brasil

Segunda-feira, 23 de Outubro de 2017

Jazz

Ben Allison-Frank Kimbrough, uma dupla de notáveis

Luiz Orlando Carneiro

Na década de 1990, o baixista Ben Allison, o pianista Frank Kimbrough, o trompetista Ron Horton e o o saxofonista Ted Nash fundaram a Jazz Composers Collective, cooperativa de instrumentistas-compositores que, como escreveu o respeitado crítico Bob Blumenthal, criou naquela época “alguns dos mais originais e estimulantes sons ouvidos nos círculos jazzísticos de Nova York”. Pelo menos até o início da década passada, quando a JCC gravou o excepcional álbum Strange City/The Herbie Nichols Project (Palmetto Records, 2001).

Allison e Kimbrough continuaram a tocar juntos nos clubes de Nova York e em festivais pelo mundo afora, e reaparecem agora nas lojas virtuais com o álbum Layers of the City (Sonic Camera Records) – registro feito em janeiro último pelo quinteto nomeado Think Free, e que inclui os também notáveis Jeremy Pelt (trompete) e Steve Cardenas (guitarra), além do baterista Allan Mednard.

Baixista e pianista de novo juntos em Layers of the City, álbum inspirado em Nova York
Baixista e pianista de novo juntos em Layers of the City, álbum inspirado em Nova York

Nas notas de apresentação dessa seleção de sete de suas composições - das quais quatro novas – Allison assim explicou o significado do título Layers of the City: “A City no caso é Nova York, minha casa, onde nasceram meus pais, e onde chegaram como imigrantes os pais deles. As pessoas que aqui vivem vêm de todas as partes. As camadas (layers) da cidade refletem-se na fuligem e na aparência desigual de prédios decadentes, no brilho e nos ângulos perfeitos de estruturas de vidros, no provisório e no definitivo, no antigo e no contemporâneo. Essas justaposições, misturadas com a diversidade cultural de NYC, produzem uma espécie única de energia e vitalidade. É por isto que vivo aqui”.

Assim é que não há como deixar de lembrar, mais uma vez, o pianista-compositor Herbie Nichols (1919-1963) - autor de Strange City, a faixa-título daquele CD acima referido - que foi personagem recente desta coluna (15 de julho último) ao ser finalmente introduzido no Hall of Fameda revista DownBeat.

A influência na música de Ben Allison do compositor Herbie Nichols (também nascido na “estranha” cidade de Nova York) é evidente na maioria de suas peças, caracterizadas por uma lógica melódica que não exclui tiradas inesperadas, geralmente num clima mais impressionista do que expressionista.

Na faixa-título (4m45) desse novo disco do quinteto Think Free o tema apresentado em uníssono pelos sopros é desenvolvido numa tapeçaria de sons e tempos variados, animada pela viva coloração rítmica provida pela trinca baixo-guitarra-bateria.

A variedade das song forms é também marcante. Em The Detective's wife (6m15) – em tempo médio, com o trompete de Pelt assurdinado – o Think Free faz jus ao título, criando um clima de filme noir. A mesma atmosfera envolve a interpretação de Ghost ship (4m50), com realce mais uma vez para o sopro milesdavisiano de Pelt e o piano de Kimbrough. Mas há momentos de intenso free jazz, como em Enter the dragon(8m10) – com o líder no baixo elétrico e o pianista evocando Cecil Taylor – e na faixa final, Get me offa this thing (5m15), totalmente improvisada.

(Samples generosos de Layers of the City podem ser ouvidos em: benallison.com/layers-of-the-city/)

Tags: artigo, coluna, jazz, jb, luiz, orlando

Compartilhe: