Jornal do Brasil

Domingo, 30 de Abril de 2017

Jazz

Deanna Witkowski: Improvisações com Chopin

Luiz Orlando Carneiro

Neste fim de semana, Deanna Witkowski era a principal atração da série “Piano in Bryant Park”, realizada ao ar livre, neste verão novaiorquino, naquele aconchegante parque entre as ruas 40 e 42, de frente para a 6ª Avenida. A pianista de 43 anos - nascida em New Hampshire, e formada em Chicago e Nova York – venceu, em 2002, a Great American Jazz Piano Competition, na Florida. Ganhou então visibilidade, e passou a merecer os aplausos da crítica especializada. Sobretudo depois da gravação de dois álbuns, em quarteto, ao lado do notável saxofonista Donny McCaslin: Lenght of days(Artistshare, 2006) e From this place (Tilapia, 2009) – este último de temática religiosa, com a líder exibindo também seus pendores vocais.

Deanna Witowski consolida o seu prestígio, no ano em curso, com o lançamento do CD Raindrop: Improvisations with Chopin, também na sua etiqueta Tilapia.

Novo CD solo da pianista revela laços de Jobim com o gênio polonês
Novo CD solo da pianista revela laços de Jobim com o gênio polonês

Trata-se de uma série de arranjos e improvisações, solo, a partir de quatro prelúdios, três noturnos e um estudo do imortal compositor e pianista romântico polonês do século XIX. A pianista – de sólida formação clássica, mas amante do jazz e da música popular brasileira – avisou logo, ao anunciar o seu projeto, que o disco não seria, apenas, uma espécie de jazzy Chopin. Ou sejanada semelhante àquelas apropriações de temas mais acessíveis do repertório da música erudita com ênfase no swing e no toucher mais percussivo típicos do jazz.

Dos quatro prelúdios selecionados, os mais conhecidos são o que é citado no título do álbum pelo seu “apelido” (raindrop, gota d'água), o nº 15, em ré bemol maior, da Opus 28, e o nº 4, em lá menor, do mesmo “livro” de Chopin. Nesta peça, a terceira faixa (5m40) do CD, Witowksi promove a fusão da partitura chopiniana com a de Insensatez, de Tom Jobim, cuja melodia o compositor brasileiro sempre admitiu ser baseada no nº 4 – uma das obras mais inesquecíveis (e ao mesmo tempo mais fáceis) da Chopiniana.

O mesmo processo é usado nas interpretações do Prelúdio nº 20 (dó menor), combinado com Olha Maria (6m40), e do Noturno nº 1 (Opus 72, em mi menor), que “deságua” em Manhã de Carnaval (5m50).

A primeira faixa da seleção é uma versão de 6m45 de uma das mais conhecidas e ouvidas composições de Chopin: o Noturno em mi bemol maior (Op.9, nº2). E é uma deliciosa ouverture do CD Raindrop, sobre o qual a pianista chama a atenção para a importância do subtítulo, Improvisations with Chopin. Ou seja, improvisações “com” Chopin, como se o canonizado gênio da música clássica estivesse a seu lado, no estúdio de gravação.

Entremeadas com as reciclagens das obras de Chopin estão, no novo disco de Deanna Witowski, seis peças curtas de autoria da pianista, com duração variando de 45 segundos (In parting) a 2m45 (Light that shimmers). Nas notas escritas para o álbum, Neil Tesser comenta que estas peças “aninham-se confortavelmente entre as do icônico romântico do século XIX”. Mas que, “provando sua fidelidade à estética jazzística, ela as improvisou, livremente, na hora, no estúdio”.

Ainda segundo o autor das liner notes, Deanna não tinha planejado gravar tais improvisos. “No entanto, movida por um motivo nos compassos finais do Noturno em mi bemol maior (e encorajada pela resposta do piano que estava tocando), ela decidiu, espontaneamente, criar esses breves originais, que adicionaram variedade (ao CD), sem o perigo de apelar para um ecletismo gratuito”.

Dentre estes originais, destaque para o saltitante A single thought (2m35), de sabor bem brasileiro.

(Algumas faixas do álbum podem ser ouvidas em http://deannawitkowski.com/music/#raindrop)

Tags: Artigo, coluna, jazz, JB, luiz, orlando

Compartilhe: