Jornal do Brasil

Quarta-feira, 1 de Outubro de 2014

Jazz

Melissa Aldana, a nova estrela do sax tenor

Luiz Orlando Carneiro

No ano passado (21/9/2013), esta coluna registrou a vitória da saxofonista chilena Melissa Aldana, então com 24 anos, na competição anual do Thelonious Monk Institute of Jazz – o mais importante concurso aberto a jovens músicos de talento, em busca de renome. O vencedor recebe um prêmio-bolsa de US$ 25 mil, mais um contrato de gravação com o selo Concord.

A especialista no sax tenor - nascida em Santiago, e formada no Berklee College of Music de Boston - foi a primeira mulher-instrumentista a ganhar o cobiçado prêmio, lançado há 27 anos. E o seu feito valorizou-se mais ainda em face da relevância dos jurados: os eminentes Wayne Shorter, Jimmy Heath, Bobby Watson, Branford Marsalis e Jane Ira Bloom. Vale anotar que o seu pai, Marcos Aldana, também saxofonista tenor, participou da Thelonious Monk Competition em 1991, e foi um dos três semifinalistas do concurso.

Pois bem. A Concord Jazz vem de lançar o CD Melissa Aldana & Crash Trio, o terceiro e mais significativo de uma discografia iniciada na etiqueta Inner Circle (Free fall, 2010, e Second cycle, 2012), sob os auspícios do influente saxofonista Greg Osby, que foi professor de Melissa.

Agora, no comando do Crash Trio, ela dá um show de autoconfiança e de domínio técnico do sax tenor, sem esconder sua devoção ao patriarca Sonny Rollins, e sua confessa admiração por Michael Brecker (1949-2007) e pelo também magistral Mark Turner (que tem o dobro da sua idade).

Vencedora da Thelonious Monk Competition lança CD pela Concord
Vencedora da Thelonious Monk Competition lança CD pela Concord

Os companheiros de Melissa na nova empreitada são o seu compatriota Pablo Menares (contrabaixo) e o cubano Francisco Mela (bateria), cuja cotação na cena jazzística subiu ainda mais quando passou a integrar o quinteto US Five do grande saxofonista Joe Lovano, que gravou para a Blue Note os álbuns Folk art (2009), Bird songs (2011) e Cross culture (2013).

Das 10 peças do disco da Concord, quatro são assinadas pela líder, duas por Mela e outras tantas por Menares. A balada You're my everything (5m05) e Ask me now (4m15), joia de Thelonious Monk, completam a seleção temática.

As composições de Melissa são: M&M (4m55), um “cartão de visitas” que realça o seu sopro seguro e encorpado, concluído com uma destemida coda; Turning (5m40), de construção melódica sofisticada, mas sem overdressing, à la Joshua Redman; Bring him home (5m05), idem; New points (6m35), a faixa mais longa do CD, levada num balanço meio bossa nova.

Pablo Menares contribui com Tirapié (6m05) - cuja abertura é um solo de quase dois minutos do excelente baixista – e Perdón (4m15) – em clima mais meditativo. O baterista Mela escreveu Peace, love & music (5m45) – com referências rítmicas explícitas ao flamenco – e Dear Joe(3m55) – um dos momentos mais animados da sessão.

Deve-se sublinhar que, apesar das origens nacionais de Aldana, Menares e Mela, o envolvente Crash Trio não deve ser rotulado como um conjunto que toca Latin jazz, muito embora o tempero rítmico caribenho ou brasileiro seja acentuado, aqui e ali, pela seção rítmica superatuante, que responde prontamente às provocações da saxofonista-líder, no mesmo nível de excelência. É música previamente escrita e arranjada, mas desenvolvida (improvisada) em action playing, sem o radicalismo do free jazz.

Na faixa final do álbum, Ask me now, Melissa Aldana dispensa o apoio dos sidemen para uma brilhante recriação, totalmente a capella, da inesquecível balada de Monk.

Tags: Artigo, coluna, jazz, JB, texto

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.