Jornal do Brasil

Sexta-feira, 24 de Outubro de 2014

Jazz

Romero Lubambo e Steve Cardenas, mestres das seis cordas

Luiz Orlando Carneiro

Com um pouco de atraso, esta coluna registra e recomenda dois CDs lançados pelo selo Sunnyside, em março último, gravados por dois mestres das seis cordas. São eles o carioca Romero Lubambo (violão) e o americano Steve Cardenas (guitarra elétrica). Ambos vivem em Nova York há muitos anos, e atuam na “primeira divisão” da capital do jazz. E seus novos discos são, respectivamente, Só:Brazilian essence - um recital solo, totalmente acústico - e Melody in a dream – basicamente um trio no qual Cardenas interage com os também notáveis Joey Baron (bateria) e Thomas Morgan (baixo acústico).

Lubambo ficou mais conhecido como integrante do Trio da Paz, ao lado dos igualmente “exilados” e vitoriosos Duduka da Fonseca (bateria) e Nilson Matta (baixo). Na discografia desse combo de samba jazz há pelo menos quatro exelentes registros: Partido out (1998) e Café (2002), ambos do selo Malandro; Somewhere (Blue Toucan, 2005); Live at JazzBaltica(MaxJazz, 2007), tendo como convidado especial o vibrafonista Joe Locke.

Violonista brasileiro, sediado em Nova York, reaparece em recital solo (foto)
Violonista brasileiro, sediado em Nova York, reaparece em recital solo (foto)

Em , Lubambo interpreta ou recria - com aquela técnica perfeita e harmonias refinadas que nos fazem pensar no grande Jim Hall (1930-2013) – 13 composições, das quais quatro de sua autoria: Paquito in Bremen (4m20), um “estudo” dedicado ao saxofonista Paquito D'Rivera; a meiga Song for Kaya (4m55); Luisa (3m), um “carinho” para a filha de igual nome; a balada By the stream (5m10).

O repertório clássico da MPB, devidamente jazzificado, tem como carro-chefe uma vibrante e multicolorida Aquarela do Brasil(4m15), de Ary Barroso. Seguem-se três joias muito especiais do tesouro de Tom Jobim: Brigas nunca mais (3m35),Insensatez (5m55) e Felicidade (4m). Carlinhos Lyra assina Você e eu (4m) e Coisa mais linda (3m40) - esta com vocal do próprio guitarrista. Mario Adnet e César Camargo Mariano são os autores de Pedra Bonita (4m) e Samambaia (5m35), respectivamente.

O álbum Só: Brazilian essence mereceu a nota máxima de cinco estrelas da Downbeat, em review assinada por Allen Morrison, na edição de maio último. Segundo o crítico, ouvir o álbum “é como se Lubambo chegasse à sua casa, e tocasse um concerto improvisado na sua sala de visitas”, com “um fraseado terno, criativos acordes jazzísticos e, às vezes, intensos efeitos percussivos”.

Já o CD Melody in a dream apresenta o trio do também admirável guitarrista (elétrico) Steve Cardenas, integrante das bandas do baterista-compositor Paul Motian (1931-2011) nos seus últimos anos de vida, ao lado de dois outros ases da guitarra camerística: Ben Monder e Jakob Bro (Ver e, de preferência, ouvir o álbum Garden of Eden, gravado em 2004, e editado pela ECM em 2006).

Agora, como líder, Cardenas - em interplay telepático com o minimalismo percussivo à la Motian do baterista Joey Baron, e com o contrabaixo acústico fora de série de Thomas Morgan – apresenta um programa temático variado, mas sujeito a uma estética melódico-harmônica refinada, sem qualquer apelo a proezas técnicas.

As três primeiras peças são da pena do guitarrista: a reflexiva Just one more thing (4m); New moon (5m50), em tempo médio;Ode to Joey (6m), homenagem ao baterista Baron, com a participação do trompetista Shane Endsley – que aparece ainda como convidado do trio numa versão muito original de Subconscious Lee (3m30), marca registra do sax alto Lee Konitz, e é destacado solista em In the Year of the Dragon (5m50), original de Paul Motian.

As outras faixas do disco são as seguintes: Once around the park (5m05), também de Motian, com realce especial para o baixo de Morgan; Broken time (3m35), do baterista Baron; Peace (6m40), tema de Horace Silver, revivido com a sutileza rítmica da bossa nova; Teo (2m40), peça tipicamente assimétrica de Thelonious Monk, tocada pela dupla Cardenas-Baron, sem o baixo de Morgan; a balada Street of dreams (5m20), que Victor Young musicou há mais de 80 anos. 

Tags: coluna, jazz, JB, Luis, orlando

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.