Jornal do Brasil

Terça-feira, 20 de Fevereiro de 2018 Fundado em 1891

Jazz

Sonny Rollins lança o volume 2 de ‘Road shows’

Luiz Orlando Carneiro

Como diria Camões, “cesse tudo que a antiga Musa canta, que outro valor mais alto se alevanta”. Esse valor mais alto, na cena jazzística, é Sonny Rollins, o Saxophone colossus, no álbum Road shows, vol. 2 (Doxy/Emarcy), com lançamento oficial marcado para a próxima terça-feira. Trata-se de um registro parcial do sensacional concerto realizado no Beacon Theatre, em 10 de setembro do ano passado, para comemorar o 80º aniversário da maior figura viva (e ativa) do jazz. 

E tudo indica que o novo CD, de mais de uma hora de duração, vai ser eleito o melhor lançamento do ano pela crítica internacional especializada, assim como ocorreu, em 2009, com o primeiro “Road shows” — uma seleção de gravações inéditas feita pelo próprio Newk de performances ao vivo na Europa e no Japão (1980-2000) e no Carnegie Hall (2007).

Das seis faixas do novo álbum, a primeira e a última — They say it's wonderful (13m50) e St. Thomas (2m40) — foram gravadas no Festival de Sapporo, Japão, um mês depois do concerto de Nova York. 

Novo CD contém faixas do concerto de seu 80º aniversário
Novo CD contém faixas do concerto de seu 80º aniversário

Mas o núcleo de Road shows, vol. 2 são os 48 minutos captados, há um ano, no Beacon: In a sentimental mood (5m), que na verdade é um delicado solo do convidado Jim Hall (parceiro de Rollins no histórico LP The Bridge, 1962) com a seção rítmica formada por Kobie Watkins (bateria), Bob Cranshaw (baixo) e Sammy Figueroa (percussão); Sonnymoon for two (21m) — o tema bluesy marca registrada de Newk — com a ruidosa aparição do também octogenário Ornette Coleman (sax alto), mais o idem Roy Haynes (bateria) e o “jovem” Christian McBride (baixo); I can’t get started (8m10) e Raincheck (12m55) — de Billy Strayhorn — tendo como convidado o trompetista Roy Hargrove (flugelhorn, trompete) e, de volta, a seção rítmica habitual do tenorista (Russell Malone, guitarra; Cranshaw, Watkins e Figueroa).

O ponto culminante do disco é o encontro Sonny-Ornette. O dono da noite no Beacon expõe o conhecido tema de Sonnymoon e começa a solar em trio, com McBride e Haynes, por uns quatro minutos. Interrompe o solo para dizer que soube ter alguém “aqui nesta casa querendo me desejar um happy birthday. Não surge ninguém, e Rollins engata um outro solo, com o tema mais ou menos em ostinato, por mais quatro minutos, até que aplausos anunciam a entrada no palco do vanguardista Ornette. Na altura dos 8m45 da performance, o sax alto rascante e politonal do padroeiro do free jazz inicia o seu “recado” de quase três minutos. O aniversariante “agradece” num breve stateman, e Coleman retruca com um incrível solo harmolódico. Sonny tem a “palavra final” a partir dos 15m50, concluindo o inflamado “discurso” uns cinco minutos depois, voltando ao tema em uníssono com o eminente convidado-surpresa.

Na resenha dessa performance para a Jazz Times deste mês, Thomas Conrad anotou: “Coleman é o id, puro impulso; Rollins é o superego, a voz da razão. Depois de 22 minutos, eles gritam o tema juntos, num uníssono final solto, feroz, e o Beacon Theatre vai à loucura”.

Raincheck recebe um tratamento festivo e original, com aquecimento das congas de Figueroa e da bateria de Watkins. Os solos iniciais (dois minutos cada) são de Roy Hargrove e Russell Malone. O sax tenor de Rollins surge imponente, e abre caminho para uma impressionante troca de compassos com o trompete de Hargrove, por mais de sete minutos.

A outra faixa particularmente notável é It’s wonderful, a primeira do disco, gravada no Festival de Sapporo. O tema é exposto e desenvolvido por Rollins “a capella”; Russell sola por mais de três minutos; Rollins então provoca o baterista para uma longa troca de compassos, que termina num solo de Watkins; Rollins reaparece, troca compassos com Malone, e conclui com uma fascinante aula sobre a dissecação melódico-rítmica de um standard.

(Road shows, vol.2 pode ser ouvido, na íntegra, na internet, no site da NPR, em First listen).

Tags: jazz, road shows, sonny rollins

Compartilhe: