Jornal do Brasil

Quarta-feira, 18 de Julho de 2018 Fundado em 1891

Esportes - Copa do Mundo

Polêmica na Copa do Mundo por concussões cerebrais

Jornal do Brasil

"O futebol não progrediu o suficiente na gestão das concussões cerebrais", denunciou na quarta-feira (20) a FIFPro, o sindicato mundial de jogadores, considerando precipitado o retorno do marroquino Noureddine Amrabat aos campos da Copa do Mundo da Rússia.

"Este é outro exemplo alarmante de um jogador em perigo. Amrabat voltou à ação muito cedo segundo as diretrizes médicas", protestou a FIFPro em um comunicado enviado à AFP.

"Quatro anos depois do desastre da última Copa do Mundo, onde muitos jogadores não receberam o atendimento adequado, o futebol não progrediu o suficiente na gestão das concussões cerebrais", destacou o sindicato.

O marroquino Amrabat se viu obrigado a deixar o campo aos 27 minutos do segundo tempo na sexta-feira passada depois de um choque com um adversário na derrota por 1 a 0 para o Irã. De início, o médico marroquino deu alguns tapas em suas bochechas para despertá-lo, o que provocou uma enxurrada de críticas nas redes sociais.

O médico do Marrocos, Abderazzak El Hifti, assegurou na terça-feira ter "respeitado ponto a ponto" as recomendações da Fifa.

"Recebemos uma carta da Fifa que nos lembrava das recomendações a seguir (...) as respeitamos ponto a ponto, nossa intervenção foi correta", se defendeu o médico em um vídeo enviado à imprensa pela Federação Marroquina.

- 'Não sou médico' -

Depois da partida, Amrabat passou a noite em observação em um hospital de São Petersburgo. O técnico da seleção marroquina descartou o jogador no sábado para a partida seguinte do Grupo B contra Portugal, nesta quarta-feira em Moscou.

As declarações do técnico chegaram antes de o médico assinalar no vídeo: "Amrabat está melhorando. Voltou aos treinos, disse a ele que teria uma semana de descanso (...) decidiremos (na quarta-feira) se poderá jogar ou não".

E Amrabat voltou a campo na quarta-feira na derrota por 1 a 0 para Portugal, e participou desta partida com uma proteção para a cabeça, mas que tirou durante o jogo.

Jogou durante todo o tempo. Não seria perigoso? "Amrabat é um guerreiro, quis jogar, usou uma proteção durante a partida, seu espírito é incrível e estou feliz de ter um jogador assim", afirmou depois do jogo seu treinador, o francês Hervé Renard.

"Não sou médico, os relatórios médicos são lidos por pessoas competentes, eu não sou, logo assumem suas responsabilidades e o jogador também assume as suas responsabilidades", explicou Renard.

- Tapia não lembra de nada -

Durante esta Copa do Mundo, o volante peruano Renato Tapia também recebeu uma pancada na cabeça no sábado, na derrota por 1 a 0 para a Dinamarca.

No domingo, o jogador do Feyenoord declarou nas redes sociais: "Não me lembro de nada do que aconteceu (no sábado). Apenas que era um dia especial e amo ainda mais o meu país. É o tipo de experiência com a qual aprendemos".

De acordo com um protocolo aprovado pela Fifa depois da Copa no Brasil, em 2014, marcada em particular pela concussão cerebral sofrida na final pelo alemão Christoph Kramer, o árbitro tem o poder de interromper uma partida por "até três minutos" nos casos de suspeita de concussão cerebral.

"O árbitro não pode permitir que o jogador lesionado continue jogando até receber a permissão do médico da equipe, que terá a última palavra", disse a federação internacional.

Agência AFP


Tags: copa, jogador, medicina, saúde, seleção

Compartilhe: