Jornal do Brasil

Terça-feira, 14 de Agosto de 2018 Fundado em 1891

Internacional

Banqueiro turco é condenado à prisão nos EUA por violar sanções contra Irã

Jornal do Brasil

O banqueiro turco Mehmet Atilla, considerado culpado, em janeiro, de ajudar a driblar as sanções americanas contra o Irã, foi condenado nesta quarta-feira (16) a 32 meses de prisão. O caso põe mais pressão sobre as relações de Ancara e Washington.

A pena que o juiz federal de Manhattan Richard Berman aplicou a Atilla, de 47 anos, é relativamente leve - a acusação tinha pedido 20 anos de prisão.

A chancelaria turca insistiu, nesta quarta-feira, que Attila é inocente, e garantiu que este foi "um processo inteiramente simulado, inconsistente com o princípio de um julgamento justo".

O presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, denunciou diversas vezes o processo de Atilla, ex-diretor-geral adjunto do banco público turco Halkbank, como um "complô" contra a Turquia criado por seu inimigo Fethullah Gülen, exiliado nos Estados Unidos.

Erdogan garantiu na segunda-feira passada que Atilla é "inocente", segundo declarações publicadas pela imprensa turca.

"Se Atilla for declarado criminoso, isso equivaleria praticamente a declarar que a República turca é criminosa", disse.

Atilla foi considerado culpado em 3 de janeiro por fraude bancária e conspiração, por violar sanções americanas, após mais de três semanas de julgamento em Manhattan, acompanhadas de perto pela imprensa turca.

Os advogados de Atilla afirmaram que ele era o bode expiatório de um plano complexo para driblar as sanções organizado pelo empresário turco-iraniano Reza Zarrab. Atilla teria sido mero executor do plano.

Eles destacaram que Atilla nunca tirou benefício pessoal deste tráfico e pediram uma pena limitada a dois anos de prisão.

Zarrab, uma celebridade na Turquia que surpreendeu Ancara ao aceitar cooperar com a Justiça americana após sua prisão, em troca de uma pena mais leve, deu o principal depoimento do processo.

Ao todo, nove pessoas foram consideradas culpadas neste caso.

Agência AFP


Compartilhe: