Jornal do Brasil

Segunda-feira, 20 de Agosto de 2018 Fundado em 1891

Internacional

Memorandos mostram obsessão de Trump com investigação de ingerência russa

Presidente se referia a assunto como "nuvem negra", dizem memorandos

Jornal do Brasil

O presidente Donald Trump se queixava frequentemente com o então diretor do FBI, James Comey, no início de 2017, de que a investigação sobre a suposta ingerência russa nas eleições de 2016 era uma nuvem negra sobre seu governo, segundo memorandos divulgados nesta quinta-feira.

Trump "disse que estava tentando dirigir o país e que a nuvem negra deste assunto da Rússia tornava isto difícil", escreveu Comey em um memorando sobre uma conversa que mantiveram em 30 de março de 2017, semanas antes de sua demissão.

Memorandos podem se converter em evidências em investigação sobre se Trump praticou obstrução

Onze dias depois, Trump pressionou novamente Comey sobre o tema afirmando que "estava tratando de fazer seu trabalho pelo país, visitando líderes estrangeiros, e que qualquer nuvem, mesmo que pequena, prejudicaria isto", escreveu Comey, referindo-se "ao tema da Rússia".

Os memorandos, que Comey escreveu imediatamente após suas várias reuniões com Trump, depois da posse do republicano, em 20 de janeiro de 2017, revelam um presidente muito preocupado com o impacto da investigação sobre a ingerência russa nas eleições.

Obtidos pela AFP nesta quinta-feira, após o departamento de Justiça entregar os documentos ao Congresso, os memorandos podem se converter em evidências em uma investigação sobre se Trump praticou obstrução.

Comey deixa claro nos memorandos o incômodo com a pressão de Trump, mas não afirma que o presidente violou a lei.

Semanas após o último memorando, em 9 de maio, Trump demitiu Comey e revelou em entrevista que a decisão estava ligada a sua discordância sobre como investigava o caso da ingerência russa.

Comey também escreveu que Trump mencionava, sem confirmar, a versão de que os russos teriam um vídeo dele com prostitutas em um hotel de Moscou.

"O presidente disse que 'este tema das prostitutas' não tinha sentido", mas certa vez revelou que o presidente russo, Vladimir "Putin, lhe contou: 'temos algumas das mais belas prostitutas do mundo'".

Agência AFP


Tags: eleições, estados, investigação, justiça, rússia, unidos

Compartilhe: