Jornal do Brasil

Sábado, 21 de Julho de 2018 Fundado em 1891

Internacional

Aliados de Putin celebram reeleição, Ocidente mantém prudência

Jornal do Brasil

Os aliados tradicionais da Rússia celebraram nesta segunda-feira (19) a inequívoca reeleição do presidente russo, Vladimir Putin, enquanto os países do Ocidente se mostraram mais comedidos em suas reações, lembrando os vários pontos de fricção com Moscou.

Em Berlim, o porta-voz da chanceler alemã, Angela Merkel, anunciou que ela felicitava Putin e, ao mesmo tempo, mencionava suas divergências.

"Vai lhe escrever um telegrama muito em breve (...) e acredito que, naturalmente por ocasião dessas felicitações, tratará dos desafios da relação germano-russa", disse Steffen Seibert.

O porta-voz mencionou as "diferenças de opinião com a Rússia" sobre Ucrânia e Síria, mas ressaltou a importância de não "romper o fio do diálogo com os dirigentes do Estado russo".

Já a União Europeia criticou irregularidades na eleição, as quais foram denunciadas por observadores.

Nessa mesma linha, a Polônia considerou "ilegal" a eleição presidencial russa organizada na Crimeia.

"Estamos a favor de que se respeite a integridade territorial da Ucrânia e reconhecemos a Crimeia como uma parte do Estado ucraniano. Isso também significa que a eleição presidencial realizada pelas autoridades da Federação Russa na península não pode ser considerada como legal", afirmou o Ministério polonês das Relações Exteriores em um comunicado.

O presidente francês, Emmanuel Macron, que falou com Putin, desejou-lhe nesta segunda "sucesso na modernização política, democrática, econômica e social do país" e insistiu em que "a cooperação entre Europa e Rússia (...) beneficia ambos os países", revela comunicado divulgado pela Presidência.

Na mesma conversa, Macron pediu à Rússia que "esclareça as responsabilidades relacionadas com o inaceitável ataque" com um agente tóxico sofrido por um ex-espião russo e por sua filha na Inglaterra em 4 de março passado.

O presidente chinês, Xi Jinping, acolheu a reeleição de Putin, assegurando que seu país "está pronto para trabalhar com a Rússia, com o objetivo de continuar melhorando as relações sino-russas [e promover] a paz mundial".

Em Damasco, o presidente sírio, Bashar al-Assad, elogiou Putin - seu maior apoio internacional -, que cuida "dos interesses da Rússia com a maior competência e lealdade", segundo um comunicado do governo sírio citado pelo Kremlin.

No Irã, o presidente Hassan Rohani também felicitou Putin por sua "vitória decisiva".

"Estou certo de que, em seu novo mandato, as relações entre nossos dois países crescerão cada vez mais", escreveu o presidente, em uma mensagem destinada ao colega russo.

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, também celebrou a reeleição de Putin.

"Rússia e Venezuela se tornaram países irmãos" que devem "encarar as frequentes manobras do imperialismo" para "impor doutrinas de supremacia mundial", afirmou, segundo um comunicado da Chancelaria.

No Cairo, o presidente egípcio, Abdel Fatah al-Sissi, saudou a vitória de Putin e elogiou "as relações estratégicas compartilhadas" por Rússia e Egito "e sua vontade de desenvolvê-las ainda mais".

O primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, também falou com Putin por telefone.

"Ambos os dirigentes confirmaram sua estreita cooperação para conseguir a desnuclearização da Coreia do Norte", segundo um comunicado oficial.

Os dirigentes de Cuba e de vários países da antiga URSS, entre eles Uzbequistão, Tadjiquistão, Quirguistão, Azerbaijão, Armênia, Bielo-Rússia e Moldávia saudaram a vitória do presidente russo.

O rei Salman da Arábia Saudita lhe dedicou uma breve mensagem de felicitação.

Agência AFP


Tags: arabia, coreia, cuba, internacional, ministro

Compartilhe: