Jornal do Brasil

Domingo, 18 de Fevereiro de 2018 Fundado em 1891

Internacional

Papa Francisco pede perdão por pedofilia no Chile

Declaração foi dada durante encontro com corpo diplomático

Jornal do Brasil

Durante um encontro com membros do corpo diplomático e da política do Chile, nesta terça-feira (16), o papa Francisco pediu "perdão" pelos crimes de pedofilia cometidos por membros da Igreja Católica no país.

"Aqui não posso fazer menos do que exprimir a dor e a vergonha que sinto perante um dano irreparável causado a crianças por parte dos ministros da Igreja. Desejo unir-me aos meus irmãos no Episcopado porque é justo pedir perdão e apoiar com todas as forças as vítimas, enquanto devemos nos empenhar para que isso não se repita", disse Francisco.

>> Mais 3 igrejas são incendiadas no Chile contra visita do Papa

>> Papa cita Neruda e lembra da ditadura em 1ª missa no Chile

>> Michelle Bachelet diz que visita do Papa 'faz bem ao país'

Ao lado de Michelle Bachelet, papa cumprimenta crianças ao chegar no Chile
Ao lado de Michelle Bachelet, papa cumprimenta crianças ao chegar no Chile

Quebra de protocolo

O papa desembarcou na cidade de Santiago, capital do Chile, nesta terça-feira (16) e, ao chegar à Nunciatura, onde ficará hospedado nos três dias de viagem, já quebrou o protocolo e cumprimentou as pessoas que o aguardavam no local.

Os seguranças acompanharam Jorge Mario Bergoglio, apesar de provocar um pouco de correria. Algumas das pessoas que o aguardavam, incluindo mães com crianças pequenas, chegaram a esperar até quatro horas para ver o líder católico.

Ao longo do percurso entre o aeroporto e a sede apostólica, o Pontífice foi saudado por milhares de pessoas. Ele fez o caminho com o "papamóvel" aberto e foi seguido pelo arcebispo da capital, cardeal Ricardo Ezzati Andrello.

Hoje será o primeiro dia de agenda oficial de Bergoglio no país, onde terá encontros com representantes políticos, incluindo a presidente Michelle Bachelet e seu sucessor, Sebastián Piñera, e o corpo diplomático.

Ele ainda rezará uma missa no Parque O'Higgins, onde são esperadas cerca de 600 mil pessoas, e à tarde visitará um presídio feminino. À noite, a agenda será mais "religiosa", com reuniões com padres, seminaristas, freiras e bispos.

Mais de 18 mil seguranças estão atuando na proteção ao Papa. Há o temor de que os ataques contra igrejas ocorridos na última semana se repitam, por isso, o esquema foi reforçado também com a atuação de 15 mil voluntários.

Francisco ficará no Chile até o dia 18, passando ainda pelas cidades de Temuco e Iquique. Depois, parte para uma visita ao Peru, onde fica até dia 22, com compromissos em Lima, Puerto Maldonado e Trujillo. 

Com Ansa

Tags: acusação, chile, pedofilia, pontífice, viagem

Compartilhe: