Jornal do Brasil

Quinta-feira, 19 de Julho de 2018 Fundado em 1891

Internacional

Inimigos do Irã usam dinheiro e armas para minar o governo de Teerã, diz Khamenei

Jornal do Brasil

Os inimigos do Irã estão usando dinheiro, armas e guerra política para criar problemas para os líderes do país, o influente aiatolá Ali Khamenei disse em meio a uma onda de protestos contra o governo que acontecem na República Islâmica.

Líder supremo do Irã, Khamenei ofereceu na terça-feira a impressão dos protestos que ocorreram no Irã desde a semana passada, com pessoas que protestam contra o aumento dos preços dos alimentos e o desemprego.

"Quanto aos desenvolvimentos dos últimos dias [no país], os inimigos se uniram para criar problemas para o sistema islâmico, usando vários meios […] incluindo dinheiro, armas, política e aparelhos de segurança", afirmou Khamenei, citado pela agência estatal de notícias IRNA.

Sem distinguir nenhuma nação, o líder supremo disse que "os inimigos sempre esperavam encontrar a chance de dar um golpe à nação iraniana".

Ele não entrou em detalhes e se absteve de oferecer uma avaliação detalhada dos protestos, apenas acrescentando: "Eu tenho muito mais a dizer sobre esses desenvolvimentos, mas os compartilharei com nossas pessoas queridas no momento apropriado".

Influência externa

Outras autoridades iranianas também sugeriram que os comícios anti-governo, alguns dos quais apontaram para o aiatolá Khamenei ou se tornaram violentos, podem ter sido provocados por fora.

Falando ao parlamento na segunda-feira, o presidente do Irã, Hassan Rouhani, disse que o envolvimento da saudação desempenhou um papel na tentativa dos protestos: "Eles [os sauditas] disseram abertamente que criaremos problemas em Teerã".

Ele também prometeu que seu governo redobrará os esforços para melhorar a situação econômica do país, ao mesmo tempo em que diminui o desemprego, a poluição atmosférica e a inflação, informou a agência de notícias FARS.

Na terça-feira, Ali Shamkhani, secretário do Conselho Supremo de Segurança Nacional do Irã, acusou a Arábia Saudita de abrandar a agitação popular através das mídias sociais. De acordo com o chefe de segurança, "cerca de 27% das hashtags que foram feitas pertencem aos sauditas […] os táxis sobre a situação no Irã foram lançados dos EUA, Grã-Bretanha e Arábia Saudita".

"Certamente, os sauditas receberão uma resposta adequada do Irã e eles não entenderão a origem dessa resposta. A família saudita governante está bem ciente do perigo de nossa resposta", disse Shamkhani, citado por FARS.

Inimigos elogiam movimento

Em meio aos protestos crescentes em todo o país, alguns líderes mundiais expressaram seu apoio ao movimento anti-governo. Em sua primeira série de tweets em 2018, o presidente dos EUA, Donald Trump, manteve que os iranianos, tendo "pouca comida, grande inflação e sem direitos humanos", estão agindo "contra o regime iraniano brutal e corrupto".

Em um tweet anterior, Trump afirmou que o Irã "está falhando em todos os níveis, apesar do terrível acordo nuclear [2015] feito com eles pela Administração Obama". Ele acrescentou: "O grande povo iraniano foi reprimido por muitos anos. Eles estão com fome de comida e de liberdade".

Mais cedo, o ministro da Inteligência israelense, Israel Katz, disse à rádio do Exército israelense que espera que os manifestantes no Irã prevalecerão.

"Só posso desejar o sucesso do povo iraniano na luta pela liberdade e pela democracia", disse ele na segunda-feira, como citado pela Reuters. "Se as pessoas conseguirem alcançar a liberdade e a democracia, muitas das ameaças para Israel e toda a região hoje desaparecerão", acrescentou o funcionário da inteligência.

O número total de mortes no Irã chegou a 20 após seis dias de agitação, de acordo com a TV estatal. Cerca de 450 pessoas foram presas nos últimos três dias, o vice-governador de segurança de Teerã Ali Asghar Nasserbakht disse à agência de notícias ILNA, acrescentando que cerca de 100 daquelas foram presas na segunda-feira.

>> Sputnik

Sputnik


Tags: aiatolá ali khamenei, ali asghar nasserbakht, ali shamkhani, arábia saudita, donald trump, estados unidos, hassan rohani, irã, israel, israel katz, muçulmanos, protestos, teerã, violência

Compartilhe: