Jornal do Brasil

Domingo, 17 de Junho de 2018 Fundado em 1891

Internacional

Nuvem radioativa que afetou Europa ainda continua um mistério

Agências russas deram versões contrárias sobre origem da nuvem

Jornal do Brasil

A agência russa de meteorologia Rosguidromet confirmou que a nuvem radioativa que se espalhou pela Europa, durante o mês de outubro, teve origem em estações ao sul dos Montes Urais, que fazem a fronteira entre Europa e Ásia.

Segundo a entidade, o país registrou quantidades "extremamente elevadas" do rutênio-106, um isótopo radioativo, em duas estações de observação em Arguaiach e Novogorny entre os dias 25 de setembro e 1º de outubro - ou seja, antes dela ser detectada pela Itália e pela França e, depois, por toda a Europa.

No entanto, horas após a nota da entidade, a agência nuclear russa negou que o país tenha sido a origem do problema porque "não houve uma explosão ou vazamento" em suas estações.

Porém, a Rosguidromet confirmou que as concentrações de Rutênio-106 em Arguaiach estavam "986 vezes maiores" do que as registradas em agosto. Confirmando os relatórios europeus, o órgão ainda disse que a nuvem se espalhou "da Itália até o norte da Europa".

No entanto, apesar do temor, um dos responsáveis do Centro Nacional para a Segurança Nuclear e Radioproteção do Instituto Superior para a Proteção e Pesquisa Ambiental (Ispra), da Itália, Paolo Zeppa, afirmou que não há riscos para a saúde humana e dos animais.

"Não existe nenhum perigo nessa nuvem tóxica. Agora, por exemplo, não há nenhum traço do Rutênio-106 no ar", explicou Zeppa ao jornal "Corriere della Sera".

"Já naqueles dias, ela não representava um perigo e sua presença não tinha importância sanitária para aplicar o plano nacional para eventos nucleares e radiológicos previstos nestes casos. O seu nível era bem inferior à radioatividade natural existente no ambiente e com a qual nós vivemos diariamente", acrescentou o especialista, dizendo que a nuvem se espalhou para todas as regiões italianas.



Tags: continuação, europa, mistério, nuvem radioativa, perigo

Compartilhe: