Jornal do Brasil

Sexta-feira, 15 de Dezembro de 2017

Internacional

Para especialista, há uma única maneira de encontrar o submarino argentino

Sputnik

Os drones da Marinha dos EUA tentarão encontrar o submarino argentino. Em entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik, o especialista militar Konstantin Sivkov falou sobre a utilização de aparelhos autônomos submersos nas buscas do submarino.

A Marinha dos EUA enviou drones submarinos para ajudar a buscar a embarcação argentina, que sumiu dos radares na semana passada.

A embarcação ARA San Juan desapareceu na zona sul do mar Argentino em 15 de novembro. De acordo com o jornal Clarín, o navio contava com 37 pessoas a bordo, entre elas, oito oficiais.

Depois de desaparecimento do submarino, oito países se mostraram prontos para ajudar nas buscas, incluindo os EUA, Reino Unido e Chile.

O submarino San Juan, da Armada Argentina, que está desaparecido
O submarino San Juan, da Armada Argentina, que está desaparecido

No domingo (19), marinheiros argentinos comunicaram sobre a detecção de sete sinaisque podem ter sido enviados pelo submarino desaparecido. Contudo, não facilitaram na busca.

O especialista militar Konstantin Sivkov, em entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik, opinou que a utilização de drones submarinos aumenta significativamente as chances de encontrar a embarcação.

"Se o submarino tiver afundado, se toda a tripulação tiver morrido e se todos os mecanismos estiverem desligados, então não faz sentido buscá-lo com ajuda de sistemas tradicionais. Caso a embarcação esteja no fundo do mar, então uma sondagem hidráulica ativa também não ajudaria muito, visto que os reflexos heterogêneos do solo camuflariam o submarino. Ou seja, resta apenas uma maneira de encontrá-lo – busca hidroacústica ou visual, desempenhada pelos drones norte-americanos, o que aumentará as chances de encontrar a embarcação", explicou Konstantin Sivkov.

De acordo com o especialista, o desaparecimento pode ter sido causado por diferentes motivos.

"Típicas situações de emergência nestes submarinos representam incêndio por causa de curto-circuito. Pode se tratar também de um acidente, relacionado à utilização inapropriada de munições – explosão submersa. Mas, na realidade, casos assim devem ser registrados para detecção [da explosão]", ressaltou Konstantin Sivkov.

O submarino San Juan foi construído na Alemanha e entrou em serviço da Marinha da Argentina em 1985. Esta embarcação consegue ficar submersa por dois dias; há cinco dias está desaparecida.

>> Sputnik

Tags: ara san juan, argentina, buscas, drones, submarino

Compartilhe: