Jornal do Brasil

Sábado, 16 de Dezembro de 2017

Internacional

'NYT': Recessão e corrupção favorecem líderes não tradicionais e arriscam democracia

Artigo do ex-ministro de Comércio e Indústria da Venezuela cita o Brasil 

Jornal do Brasil

Artigo de opinião publicado pelo jornal norte-americano The New York Times nesta terça-feira (19), escrito por Moisés Naím, membro distinto da Carnegie Endowment for International Peace, ex-ministro do Comércio e Indústria da Venezuela, fala sobre o atual cenário político internacional .

"Em menos de uma década, o mundo passou a se preocupar com falhas financeiras ao invés de se preocupar com suas democracias em queda".

O autor lembra que em 2008 todos ficaram preocupados com a crise econômica, se haveria uma recuperação e quanto tempo demoraria, mas a Grande Recessão não foi tão prolongada quanto temíamos e até os mais atingidos já viram sinais de crescimento.  

Moisés afirma que " que não retornou ao modo preciso foi a política. Hoje, os partidos políticos - essenciais para sistemas democráticos fortes - estão se tornando uma espécie em extinção".

"O rescaldo da crise econômica abriu caminho para o sucesso de líderes políticos não tradicionais como Donald Trump e viabilizou algumas idéias inimagináveis", como a Brexit, acrescenta.

O autor analisa que "à medida que os salários estagnavam ou diminuíam nos Estados Unidos, na Grã-Bretanha e em outras democracias economicamente avançadas, a classe média assolada culpava a automação e a globalização. A imigração e o comércio internacional foram vistos como desvantagens caras para a integração internacional".

A onda global de raiva política que varre muitos países ricos e pobres também é alimentada por uma nova impaciência com a corrupção, diz o texto do New York Times
A onda global de raiva política que varre muitos países ricos e pobres também é alimentada por uma nova impaciência com a corrupção, diz o texto do New York Times

O ex-ministro do Comércio e Indústria da Venezuela avalia que surpreendentemente, mesmo os mercados emergentes com economias de rápido crescimento como o Brasil, que retirou milhares de cidadãos da pobreza extrema, enfrentaram desafios com suas populações enojadas, decepcionadas com seus governos e fortalecidas pelas mídias sociais e outras novas tecnologias.

"Nos países em desenvolvimento, é comum que as expectativas das pessoas cresçam a um ritmo mais rápido do que a capacidade do estado para atendê-los. O dinheiro é sempre curto, e as instituições públicas são muitas vezes ineficazes. Assim, mesmo que as vidas de centenas de milhões de pessoas na Ásia, América Latina e África estejam melhorando, isso não significa que as pessoas estejam satisfeitas. E tornou-se claro que o progresso econômico e a prosperidade nem sempre compram a estabilidade política", explica o texto.

A onda global de raiva política que varre muitos países ricos e pobres também é alimentada por uma nova impaciência com a corrupção.

Na última década, as sociedades em que a corrupção costumava ser tratada como um fato da vida desenvolveram uma forte intolerância ao roubo oficial e derrotaram os políticos intocáveis. No Brasil e na Índia, na Rússia e na Espanha, as pessoas saíram às ruas para denunciar a corrupção pelos poderosos.

E muitas vezes aqueles que estavam no poder também eram líderes de partidos políticos tradicionais. Quando esses líderes são pegos roubando, denigre a imagem de todos os partidos tradicionais, cujo prestígio e fascínio têm vindo a diminuir constantemente. 

O desdém pela política como de costume - e, portanto, para as partes bloqueadas no status quo - é intenso, generalizado, global. É por isso que a política anti-política, a rejeição da política tradicional e seus praticantes, é um instinto tão popular hoje.

O caso de Tiririca ilustra vividamente o porquê. Em 2010, Francisco Everardo Oliveira Silva, conhecido profissionalmente como o palhaço de Tiririca, correu para uma sede do Congresso no Brasil, fazendo campanha em traje. Sua mensagem foi honesta e direta: "Eu não sei o que um representante no Congresso faz, mas se você me enviar lá eu vou te contar". Ele também explicou que seu objetivo era "ajudar as pessoas necessitadas neste país ... mas especialmente minha família ".

Na época, era fácil descartar a corrida de Tiririca como um gesto antipolítico extremo que só poderia acontecer em uma jovem democracia barulhenta como a do Brasil. Mas não por muito. O sentimento que impulsionou Tiririca para a vitória é semelhante ao que levou ao sucesso político do comediante Beppe Grillo na Itália, ou do Sr. Trump, um apresentador de programas de TV.

Ambos os homens conseguiram minar o poder dos partidos dominantes. Enquanto o Movimento de Cinco Estrelas do Sr. Grillo procurou deslocar a máquina política da Itália ao se posicionar como um estranho radical, o Sr. Trump assumiu a política tradicional como um insider radical, organizando uma tomada de controle hostil do Partido Republicano.

O apelo do Sr. Trump para "drenar o pântano" em Washington. A denúncia escandalosa do Sr. Grillo sobre a "casta" que, em sua opinião, correu a Itália no chão. Banners de manifestantes no Brasil imploram os eleitores para "expulsá-los". Esses exemplos ressoam de maneiras semelhantes.

Nos dias de hoje, os pedidos de uma nova ordem política geralmente exigem a expulsão de partidos políticos e líderes eleitos e, em muitos casos, é a chamada correta. Organizações corruptas e ineficazes precisam ser substituídas por outras efetivas.

No entanto, muitos ativistas adotam o equívoco de que a resposta está em organizações não-governamentais ou em movimentos isolados e não tradicionais, destaca o membro distinto da Carnegie Endowment for International Peace.

As democracias, no entanto, precisam de partidos políticos. Precisamos de organizações permanentes que ganhem poder político e governem, que são forçadas a articular interesses e pontos de vista diferentes, que podem recrutar e desenvolver futuros líderes governamentais e monitorar aqueles que já estão no poder.

Os líderes políticos precisam ter uma posição sobre educação pré-escolar e armas nucleares, cuidados de saúde e agricultura, e ter opiniões bem articuladas sobre a luta contra o terrorismo e a regulamentação dos bancos, entre outras questões políticas. E os partidos políticos são os campos de treinamento desses líderes, defende o autor.

"Para sobreviver, os partidos políticos devem recuperar a capacidade de inspirar e mobilizar as pessoas - especialmente os jovens - que, de outra forma, poderiam desprezar a política ou canalizar qualquer energia política que tenham em grupos mais conservadores. Os partidos devem estar dispostos a revisar suas estruturas, mentalidades e métodos para se adaptarem a um novo mundo. Também precisamos levar a renovação do partido ao primeiro plano em qualquer discussão sobre a política contemporânea".

"Desde a crise financeira da última década, quase tudo o que fazemos - comer, ler, fazer compras, namorar, viajar e se comunicar - foi interrompido por novas tecnologias e inovação. Tudo, isto é, exceto a maneira como governamos. Precisamos de uma inovação disruptiva que leve os partidos democráticos para o século XXI", finaliza Moisés par The New York Times.

>> The New York Times

Tags: bndes, economia, interncaional, le pen, merkel, putin, santander, trump

Compartilhe: