Jornal do Brasil

Domingo, 24 de Junho de 2018 Fundado em 1891

Internacional

Procuradoria pode investigar crime em tremor em ilha italiana

Investigadores querem saber se houve homicídio culposo

Jornal do Brasil

A Procuradoria de Nápoles está analisando a possibilidade de abrir uma investigação por homicídio culposo e homicídio múltiplo culposo, quando não há a intenção de matar, sobre o terremoto que atingiu a ilha de Ischia na última segunda-feira (21).

O tremor deixou dois mortos e cerca de 40 feridos e a Proteção Civil chegou a acusar a cidade de ter permitido a construção de casas com materiais de "baixa qualidade, que não correspondem às normativas vigentes".

Segundo o procurador da cidade, Giovanni Melillo, esses dois crimes "estão no quadro ordinário das avaliações possíveis neste momento". De acordo com uma entrevista dada por ele à emissora "Radio 1", o atual quadro "é complexo e é necessário fazer aprofundamentos".

Sobre as denúncias da Proteção Civil, o procurador afirmou que "não fogem os custos sociais que, também nessa situação, aparecem e mostram ser fenômenos graves como o da construção ilegal e dos abusos".

Por sua vez, o prefeito de Ischia, Enzo Ferrandino, rebateu as acusações e disse que a localidade "não é uma coletividade de abusos". "Falem como estão as coisas de verdade", ainda afirmou.

Papa envia mensagem

Durante a tradicional audiência geral desta quarta-feira (23), o papa Francisco enviou uma mensagem aos moradores da ilha italiana.

"Levo meu pensamento e exprimo uma afetuosa proximidade a aqueles que sofrem por conta do terremoto que segunda-feira atingiu a ilha de Ischia. Rezemos pelos mortos, pelos feridos, por seus respectivos familiares e pelas pessoas que perderam suas casa", disse o Pontífice.

Irmãos socorridos

Tratado como herói pelos bombeiros e pelos italianos, o pequeno Ciro Marmolo, 11 anos, contou como foi salvar seu irmão Mattias, 7, e passar mais de 16 horas sob os escombros de sua casa.

"O meu primeiro pensamento quando eu vi a luz novamente foi Deus. Agora ele existe, eu pensei. Quando soube que o mais novo dos meus irmãos estava bem, tomei coragem e pensei: preciso fazer isso", disse o pequeno no leito do hospital Rizzoli, em Lacco Ameno.

A atitude de Ciro, de levar seu irmão mais novo para baixo da cama assim que o terremoto começou foi o que salvou a vida dele. Já o pequeno Pasquale, 7 meses, foi salvo junto com o pai. 



Tags: homicídio, ilha, ischia, itália, proteção civil, terremoto

Compartilhe: