Jornal do Brasil

Segunda-feira, 25 de Setembro de 2017

Internacional

Hotel suíço pede para judeus tomarem ducha antes de nadar e revolta Jerusalém 

O aviso provocou irritação na comunidade judaica e em Israel

Agência ANSA

Um hotel situado na cidade de Arosa, uma concorrida estação de esqui nos Alpes da Suíça, pendurou um cartaz pedindo para hóspedes judeus tomarem uma ducha antes de entrar na piscina.

O aviso revoltou a comunidade judaica e as autoridades de Israel, que acusam o local de antissemitismo. O hotel em questão é o Paradies Arosa e fica em um vilarejo de 3 mil habitantes encravado nas montanhas do cantão de Grisões, no leste do país.

Comunidade judaica e autoridades de Israel, que acusam hotel de antissemitismo
Comunidade judaica e autoridades de Israel, que acusam hotel de antissemitismo

Direcionado exclusivamente aos hóspedes judeus, o cartaz diz: "Por favor, tomem uma ducha antes de nadar. Se você violar as regras, serei forçada a fechar a piscina para você". O papel é assinado por Ruth Thomann, gerente do Paradies Arosa.

"É um ato antissemita do pior tipo", afirmou a vice-ministra das Relações Exteriores de Israel, Tzipi Hotovely. Já o Centro Simon Wiesenthal, organização sediada em Los Angeles, pediu o fechamento do hotel, que fica em um destino bastante procurado por famílias de judeus ortodoxos.

Além disso, o Ministério das Relações Exteriores da Suíça contatou o embaixador de Israel no país, Jacob Keidar, para reafirmar sua condenação "do racismo, do antissemitismo e de qualquer forma de discriminação".

Já o porta-voz do órgão oficial de turismo da Suíça, Markus Berger, chamou o aviso de "inaceitável", mas ressaltou que trata-se apenas de um "incidente infeliz", não de um reflexo da forma como os habitantes da nação alpina pensam.

A própria Federação Suíça das Comunidades Judaicas disse que pendurar o cartaz foi uma coisa "imbecil", porém fez um apelo à calma. "É alguém que não pensou direito", declarou o secretário-geral da entidade, Jonathan Kreutner, à agência "Associated Press". Ele também afirmou que os pedidos de fechamento do Paradies Arosa são "exagerados".

Em entrevista ao jornal norte-americano "The Algemeiner", a gerente do hotel contou que o cartaz, já removido, era uma reação às recorrentes reclamações de que "alguns clientes estavam nadando vestidos e sem tomar uma ducha".

"Naquele momento, tínhamos um monte de hóspedes judeus, e eu notei que alguns deles não tomaram banho antes de nadar. Então o dono do hotel me pediu para fazer alguma coisa, e eu escrevei esse aviso de forma ingênua", acrescentou Thomann, desta vez ao jornal suíço "Blick". 

Tags: agencia, ansa, internacional, judeus, polêmica, suíça

Compartilhe: