Jornal do Brasil

Sábado, 20 de Setembro de 2014

Internacional

Papa Francisco faz apelo pelo fim de violência no Iraque

Agência ANSA

O papa Francisco fez, nesta quinta-feira (7), um apelo à comunidade internacional para "por fim ao drama humanitário e para o empenho em acabar com as ameaças de violência e proteção aos refugiados" no Iraque, que tem parte de seu território dominado pelos jihadistas do Isis.

O apelo foi divulgado pelo padre Federico Lombardi, porta-voz do Vaticano, e reforça o primeiro discurso do papa Francisco, realizado no Angelus. "À luz dos eventos angustiantes", o Pontífice pediu consciência aos cristãos e à comunidade internacional. 

França - Nesta quinta-feira, desembarcaram em Paris, os primeiros 11 cristãos iraquianos, todos da mesma família, após fugirem da região em conflito. Segundo a associação que os recebeu, a família havia pedido visto francês antes mesmo de o governo de François Hollande ter tomado a decisão de dar refúgio aos cristãos do Iraque. Mas a situação no país acelerou o trâmite de imigratório.

Iraque - Segundo o Patriarca da Babilônia e dos caldeus, Louis Sako , por meio da Radio Vaticana, são 100 mil cristãos que fogem dos conflitos na região. Além disso, os jihadistas queimaram cerca de 1500 antigos manuscritos cristãos. "O governo iraquiano, que vive às vésperas de eleições, não possui força para controlar o que ocorre. Não há um verdadeiro exército, como existe na Síria. E por isso, milhares de pessoas, entre elas, idosos e crianças, caminham pelas estradas, em fuga.

 É um desastre", afirmou Sako Segundo o arcebispo de Kirkuk e Sulaymaniyah, Joseph Thomas, algumas cidades da região, como Qaraqosh, maior cidade cristã da região, e Bartella, que eram protegidas por forças curdas, foram abandonadas pelos habitantes e dominadas pelos jihadistas. "É uma catástrofe", disse Joseph à agência France Presse, que pediu a intervenção do Conselho de Segurança da ONU.

A ação dos jihadistas já fez mais de 200 mil refugiados, que tentam atravessar a fronteira entre o Iraque e a Síria, vivendo sob condições precárias. Além dos curdos, os turcomanos e membros da etnia Yazidi, comunidade pré-islâmica curda, fogem das atrocidades dos milicianos jihadistas do Isis. Segundo fontes desta comunidade, os jihadistas teriam matado 500 homens e seqüestrado centenas de mulheres na região da cidade de Sinjar.De acordo com a imprensa da Turquia, o país poderá receber refugiados. O Iraque e a Síria enfrentam, desde o final de junho, os militantes do grupo terrorista Estado Islâmico do Iraque e do Levante (Isis) e jihadistas. Eles anunciaram um califado nas áreas que controlam. O termo se refere a um Estado Islâmico regido por um califa (guia espiritual e político), que neste caso será o Abu Bakr al-Baghdadi, que receberá o título de "Califa Ibrahim".

    O "Estado Islâmico" se estende de Aleppo, na Síria, até a província de Diyala, no Iraque, e foi formado por avanços do Isis nas últimas semanas. O objetivo do Isis é formar um estado único, do Mediterrâneo ao Golfo Pérsico, como nos tempos medievais. http://www.papafrancesconewsapp.com/por/ (ANSA)

Tags: apelo, CONFLITO, morte, pontífice, vaticano

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.