Jornal do Brasil

Terça-feira, 23 de Setembro de 2014

Internacional

Rebeldes sequestram centenas de mulheres no Iraque

Agência ANSA

Centenas de mulheres e meninas da minoria religiosa Yazidi foram feitas prisioneiras pelos militantes do Estado Islâmico (Isis) na cidade de Sinjar, no Iraque, nesta quarta-feira (06). Esses rebeldes fundaram um califado entre a Síria e o território iraquiano.

Em nota, o Ministério dos Assuntos da Mulher fez um apelo para a comunidade internacional para que adote "medidas urgentes" para salvar as sequestradas. "Recebemos informações que confirmam que o Isis tem certo número de mulheres e meninas presas em uma grande casa em Sinjar. Outras mulheres com seus filhos foram levadas ao aeroporto de Tel Afar, após todos os homens terem sido mortos e a sorte delas ter sido lançada", escreveu o Ministério.

Ontem (05), a deputada da comunidade Yazidi, Vian Dakhil, falou no Parlamento que "os milicianos do Isis mataram 500 homens e eles fizeram 500 mulheres prisioneiras".

O Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU) condenou hoje os ataques do Isis contras as cidades iraquianas de Sinjar e Tel Afar, na província de Nínive, e a perseguição sistemática de minorias.

Em uma nota, a entidade mostrou "preocupação para as centenas de milhares de iraquianos, muitos dos quais de minorias e em especial do Yazidi, tiveram que fugir de suas casas por culpa dos seguidos ataques do Isis. Eles necessitam de ajuda humanitária".

Os membros do Conselho relembram que ataques únicos ou sistemáticos contra a população civil por culpa de sua origem étnica, religião ou posições pessoais são crimes contra a humanidade e os responsáveis devem ser presos. O Isis já perseguiu diversas minorias muçulmanas, além de cristãos e pessoas que se opõe ao califado.

Além dos militares iraquianos e sírios estarem lutando contra o Estado Islâmico, muitos militares da Turquia se uniram às forças curdas iraquianas para impedir o avanço dos jihadistas para outras cidades ou países.

No final de semana, alguns jihadistas chegaram ao Líbano e instalaram o caos na região nordeste do país. O "Estado Islâmico", atualmente, se estende de Aleppo, na Síria, até a província de Diyala, no Iraque, e foi formado após avanços territoriais do Isis nas últimas semanas. O intuito do Isis é formar um governo único, sem fronteiras, do Mediterrâneo ao Golfo Pérsico, como existia nos tempos medievais.

Fontes de segurança do Iraque disseram que 127 milicianos do Estado Islâmico foram mortes em um ataque aéreo sobre várias árias de Mosul, um dos maiores redutos dos jihadistas.

Segundo uma fonte citada pela agência de notícias Nina, o "assistente de califado" do Estado Islâmico, Abu Ali Anbari, foi morto durante o combate. Ainda por culpa dos seguidos bombardeamentos na região, 300 pessoas que estavam presas pelo califado conseguiram fugir de Mosul.

O túmulo onde está enterrado o ex-ditador do Iraque Saddam Hussein teria sido destruído em Tikrit. Fontes locais disseram que o local foi atacado durante confrontos entre o Exército e os jihadistas.

Porém, testemunhas dizem que o corpo do ex-ditador foi transferido para um local desconhecido, já que a família temia que o local fosse destruído.

Tags: califado, extremistas, meninas, muçulmanos, SEQUESTRO

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.