Jornal do Brasil

Domingo, 21 de Janeiro de 2018 Fundado em 1891

Internacional

Renzi pede 'papel ativo' da ONU para resolver conflito na Líbia

Agência ANSA

Em uma conversa por telefone com o secretário-geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon, o primeiro-ministro da Itália, Matteo Renzi, pediu para a organização desempenhar um "papel ativo" para interromper as hostilidades na Líbia e iniciar um diálogo político entre as partes envolvidas no conflito.    

O país tornou-se palco de violentos enfrentamentos entre a Ansar Al Sharia, milícia que defende a aplicação rigorosa da lei islâmica (sharia), e forças ligadas ao general aposentado Khalifa Hafter, que lidera uma ofensiva armada para, segundo ele, eliminar terroristas. Desde o último dia 13 de julho, quase 100 pessoas morreram e outras 400 ficaram feridas por causa dos confrontos.    

Nesta segunda-feira (28), um depósito de combustível localizado a 10 km de Trípoli foi atingido por um foguete, iniciando um grande incêndio. Mais cedo, Renzi já havia feito uma videoconferência com os presidentes dos Estados Unidos, Barack Obama, e da França, François Hollande, com a chanceler da Alemanha, Angela Merkel, e com o premier do Reino Unido, David Cameron, para debater a crise na Líbia.    

Segundo uma nota divulgada pela Casa Branca, os cinco líderes ressaltaram a importância de um cessar-fogo imediato entre as milícias e condenaram o uso da violência para interromper o processo político no país africano. 

Tags: Civil, guerra, líbios, mortes, onu

Compartilhe: