Jornal do Brasil

Domingo, 26 de Outubro de 2014

Internacional

Corpos de vítimas do vôo MH17 são levados de trem

Agência ANSA

 O governo da Ucrânia e os rebeldes separatistas pró-Rússia chegaram a um acordo neste domingo (20) para transportar os corpos das vítimas do acidente com o avião da Malaysia Airlines, que teria sido abatido por um míssil na fronteira entre Ucrânia e Rússia.

    Os corpos foram transportados em trem refrigerado, sob supervisão de médios legais. A retirada dos restos mortais ocorreu apenas três dias após o acidente, pois os rebeldes estavam impedindo o acesso de autoridades ao local da queda do avião. Nesse tempo, os corpos permaneceram expostos ao sol e não receberam tratamento adequado, o que gerou críticas da comunidade internacional. De acordo com a imprensa ucraniana, neste momento não há mais corpos no local do acidente. No entanto, ainda não foram encontrados os corpos de todos os 298 passageiros e tripulantes.

    A agência de notícias russa Ria Novosti informou que o trem, com cinco vagões refrigerados, partiu para a cidade de Donetsk com 198 corpos, todos os que foram encontrados na zona do acidente até o momento. Ontem, as autoridades ucranianas acusaram os rebeldes de destruírem provas do acidente e sumirem com os corpos das vítimas. Kiev afirmou que os separatistas estariam recebendo ajuda da Rússia para apagar as evidências de seu envolvimento no abatimento da aeronave.

    Por sua vez, o presidente francês, François Hollande, a chanceler alemã, Angela Merkel, e o premier britânico, David Cameron, ameaçaram a Rússia, caso Moscou não tome as "medidas necessárias" para favorecer o acesso das autoridades à zona do acidente, na Ucrânia.

    O vice-primeiro-ministro ucraniano, Volodymyr Groisman, afirmou neste domingo que o governo não é capaz de garantir a segurança dos investigadores e observadores internacionais na região do acidente, controlada pelos rebeldes pró-Rússia. "Até agora, a Rússia não tomou a decisão de garantir a segurança", comentou. Apesar dos corpos terem sido retirados do local, ainda é possível encontrar bagagens, pertences dos passageiros e destroços do Boeing 777 da Malaysia Airlines, sem nenhum tipo de proteção para perícia. A companhia aérea, por sua vez, anunciou que reembolsará, sem cobrar nenhuma multa, os passageiros que desejarem cancelar suas passagens, devido ao acidente, o segundo ocorrido este ano com um avião da Malaysia Airlines. (ANSA)

Tags: malasia, resgate, russia, UCRÂNIA, voo

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.