Jornal do Brasil

Sábado, 22 de Novembro de 2014

Internacional

ONU marca reunião de emergência para discutir queda do boing da Malaysian

As primeira notícias são de que a aeronave pode ter sido abatida por um míssil

Jornal do Brasil

O Conselho de Segurança da ONU agendou uma reunião de emergência nesta sexta-feira (18/7), em  Nova Iorque, para tratar da queda do Boing 777 da Malaysian Airlines, que deixou 298 pessoas mortas nesta quinta (17), na fronteira da Ucrânia com a Rússia, sendo 154 vítimas de de nacionalidade holandesa. As primeira notícias são de que a aeronave pode ter sido abatida por um míssil. O avião saiu de Amesterdão e tinha como destino Kuala Lumpur.

Mais sobre o assunto:

>> Avião da Malaysia Airlines com 295 passageiros cai na Ucrâni

>> EUA dizem que avião da Malaysia Airlines foi derrubado por um míssil

>> Rebeldes propõem trégua na Ucrânia após queda de avião

>> Fidel Castro repudia abatimento de avião na Ucrânia

O Conselho da ONU tomou da decisão do encontro após a Rede de Notícias americana CNN divulgar que um sistema de radar conseguiu captar a presença de um míssil disparado em direção ao avião segundos antes da queda. Nesta sexta (18), após os separatistas ucranianos darem uma trégua na região onde a aeronave caiu, especialistas americanos estariam tentando identificar de onde partiu o lançamento. As suspeitas são de que a ação tenha sido dos rebeldes que lutam por uma maior autonomia das regiões do leste da Ucrânia à Rússia.

O secretário-geral da Organização das Nações Unidas, Ban Ki-moon, exigiu “um inquérito internacional completo e transparente”. Na sua rápida declaração na sede da ONU, em Nova Iorque, Ban Ki-moon disse que se solidariza com as famílias e os próximos das vítimas, bem como com todo povo da Malásia. Ressaltou ainda que as investigações precisam ser "completamente transparentes”.

O presidente ucraniano Petro Poroshenko considerou a queda uma ação terrorista dos separatistas pró-russos. Já o presidente da Rússia, Vladimir Putin, atribuiu à Ucrânia a responsabilidade pela queda do Boing 777. Barack Obama, presidente dos Estados Unidos, entrou em contato com Poroshenko e com o primeiro-ministro malaio, Najib Razak, para solicitar uma apuração “rápida” e “sem entraves”. Obama ofereceu também ajuda imediata ao primeiro-ministro holandês, Mark Rutte, para o inquérito internacional seguir por um curso "rápido, completo, credível e sem entraves”, segundo comunicado da Casa Branca.

Tags: malaysian, míssil, onu, pró-russos, queda, separatistas

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.